segunda-feira, 13 de março de 2017

PAIGC acusa Botche Candé de incitamento à violência 

O PAIGC, partido mais votado nas últimas eleições legislativas na Guiné-Bissau mas afastado do poder devido às divergências com o Presidente guineense, acusou o ministro do Interior de incitamento à violência no país.

Num comunicado a que a agência Lusa teve hoje acesso, o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), acusou Botche Candé de incitar a violência contra o partido e contra as instalações da Assembleia Nacional Popular (ANP, Parlamento).

O partido, liderado pelo ex-primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, reagiu às declarações de Botche Candé, num comício em Gabu, 200 quilómetros a leste de Bissau, segundo as quais irá permitir que os jovens e as mulheres do país retirem à força a direção de Simões Pereira da liderança do partido.

Candé, militante do PAIGC, está em litígio com a direção do partido que suspendeu a sua militância para os próximos oito anos. O governante falava num comício popular em Gabu no âmbito da presidência aberta do Presidente guineense, José Mário Vaz.

Botche Candé classificou de fantoche a direção de Domingos Simões Pereira à frente do PAIGC, prometendo removê-lo do partido e colocar lá “gente credível para gerir” a formação política.

“O PAIGC vem denunciar uma vez mais este convite à violência feita de forma implícita”, pelo ministro do Interior, lê-se no comunicado que adianta ainda que o partido irá apresentar uma queixa-crime contra Botche Candé.
Rispito.com/Lusa, 12-3-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público