terça-feira, 25 de abril de 2017

CEDEAO ameaça aplicar sanções aos políticos guineenses 

A Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) admitiu hoje, terça-feira, aplicar sanções internacionais aos políticos da Guiné-Bissau que coloquem entraves à "implementação harmoniosa" do acordo para acabar com o impasse político no país.
A posição foi hoje transmitida em Bissau por Nabi Bangoura, ministro de Estado e secretário-geral da presidência da Guiné-Conakry, no final da missão de avaliação que a organização enviou a Bissau, noticia a LUSA.
A missão ministerial, que chegou no domingo à capital guineense, foi a Bissau avaliar a aplicação do Acordo de Conakry, instrumento patrocinado pela CEDEAO e assinado em Outubro de 2016 por diferentes actores políticos guineenses, para acabar com a crise no país.

Após as consultas com líderes políticos, sociedade civil e confissões religiosas guineenses, a missão concluiu que o Acordo de Conakry não foi cumprido na sua totalidade.

Nabi Bangoura, que leu um comunicado final da missão da CEDEAO, disse que será recomendado aos chefes de Estado e de Governo que a organização sub-regional aplique "sanções adequadas" a todos os que colocarem entraves à "implementação harmoniosa" do referido acordo.

Segundo o emissário da CEDEAO, os actores políticos guineenses têm assim 30 dias, a partir de hoje, para aplicar as directrizes do Acordo de Conakry, que no essencial prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento.

Quatro dos cinco partidos com assento parlamentar não reconhecem o actual Governo, referindo ser de iniciativa do Presidente guineense, José Mário Vaz, a quem exigem que demita Umaro Sissoco Embaló do cargo de primeiro-ministro.
defaultA missão da CEDEAO também exortou os dirigentes e os políticos guineenses a cessar as declarações incendiárias e o incitamento à clivagem identitária entre os cidadãos, sem citar a quem se referia.

Recentemente, o primeiro-ministro, Umaro Embaló, afirmou que está a ser contestado por ser muçulmano.
A missão exortou também as autoridades a cessar com as agressões contra os cidadãos que se manifestarem de forma pacífica contra a situação política no país.

A organização da África Ocidental referiu ter indicado às autoridades guineenses que a "força de interposição" estacionada em Bissau na sequência do golpe de Estado de Abril de 2012 poderá ser retirada entre 28 de Abril e 30 de Junho deste ano.

A missão liderada pela chefe da diplomacia da Libéria, Marjon Kamará, vai agora informar o Presidente da Guiné-Conakry, Alpha Condé, mediador da crise guineense proposto pela CEDEAO, sobre a situação da Guiné-Bissau.
Rispito.com/Lusa, 25-04-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público