quarta-feira, 24 de maio de 2017

Organização de proteção de biodiversidade alerta para desaparecimento de leões e elefantes

Image result for elefantes na guine bissauO diretor do Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) da Guiné-Bissau, Alfredo da Silva, alertou hoje para o desaparecimento de leões, elefantes e búfalos nas florestas do país e pediu ao Governo para tomar medidas. 

O responsável culpou a ação do Homem, nomeadamente a caça furtiva, mas, sobretudo, o abate de árvores de grande porte como sendo o principal motivo para o desaparecimento daqueles animais.

Image result for elefantes na guine bissauEm declarações à Lusa, no âmbito da semana da biodiversidade para assinalar o Dia Internacional da Biodiversidade, Alfredo da Silva sublinhou que se não forem tomadas medidas a Guiné-Bissau poderá deixar de ter leões, elefantes e búfalos.

Para preservar «espécies animais emblemáticas e residentes», o IBAP criou recentemente um «corredor ecológico» que vai das florestas de Dolumbi até Boé, passando por Tchetche (entre o leste e o sul do país), onde se pensa terem existido no passado búfalos, leopardos, elefantes, leões e chimpanzés, observou Alfredo da Silva.

De todas estas espécies, os chimpanzés são os únicos que ainda existem, «com toda certeza», nas florestas da zona, declarou o diretor do IBAP.

Image result for chimpanzee na guine bissauSegundo Alfredo da Silva, foram detetados recentemente na zona dois leões, filmados por pesquisadores do IBAP, e um grupo de búfalos, nas florestas de Cantanhez, que estariam a regressar às matas guineenses depois de terem fugido para as florestas da Guiné-Conacri.

Alfredo da Silva pediu as autoridades para que reforcem medidas de controlo da «grande fauna» para permitir que os animais regressem ao seu habitat de forma natural, salientando que a Guiné-Bissau pode «ganhar muito dinheiro» se preservar a sua floresta.

Em relação às aves, a Guiné-Bissau está livre de ameaças por ser local de descanso e de procura de alimentos de milhares desses animais que todos os anos migram do hemisfério norte para fugir do inverno, notou o diretor do IBAP.

Todos os anos a Guiné-Bissau recebe mais de um milhão de aves, sendo o segundo país no mundo em termos de avifauna, a seguir à Mauritânia, explicou Alfredo da Silva, que enaltece o facto por ser um «indicador da boa saúde da ecologia», porque aqueles animais não frequentam ambientes poluídos.
Rispito.com/Lusa, 24-05-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público