sábado, 27 de maio de 2017

PAIGC acusa Presidente de ordenar uso da força contra manifestantes

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo (PAIGC) acusou hoje o Presidente guineense, José Mário Vaz, de ter ordenado o "uso desenfreado de força e repressão" sobre os manifestantes que protestaram em Bissau.

"Gorada a tentativa de impedir a realização da marcha, esgotados todos os argumentos legais e inconstitucionais para o efeito, José Mário Vaz ordenou ao seu Governo, a mobilização de uma carga mista, policial e militar, e o uso desenfreado da força e da repressão, tendo resultado no ferimento grave de várias dezenas de manifestantes e ainda prisão de outros tantos", afirmou o presidente do partido, Domingos Simões Pereira.

Domingos Simões Pereira falava aos jornalistas em conferência de imprensa convocada após os confrontos registados hoje entre a polícia e os manifestantes que participaram num protesto contra o Presidente guineense.

A polícia dispersou os manifestantes com bombas de gás lacrimogéneo e bastonadas, após aqueles lhes terem atirado água, pedras e começado a queimar pneus. Os manifestantes alegam que reagiram assim depois de a polícia ter espancado um grupo de jovens que tentava chegar mais próximo da Praça dos Heróis Nacionais, onde está localizada a Presidência guineense.

"O PAIGC condena veementemente os atos perpetrados contra civis desarmados que de forma pacífica expressavam o seu inconformismo e repúdio ao regime em curso de implantação, reclamando a restauração da ordem democrática", salientou.

Na conferência de imprensa, Domingos Simões Pereira exigiu a libertação imediata e incondicional de "todos os cidadãos detidos" e responsabilizou "José Mário Vaz por todas as implicações e consequências decorrentes" daquele ato "irrefletido e irresponsável".

Domingos Simões Pereira exigiu também a criação de uma comissão de inquérito para apurar detalhadamente as "circunstâncias e causa do uso da força policial e militar e a responsabilização individual e institucional dos perpetradores do ato de violência".

À comunidade internacional, o presidente do PAIGC alertou para que acompanhe todas as ocorrências e a "correspondente responsabilização por todos os crimes contra os direitos humanos, tanto a pessoas singulares como às respetivas instituições".

Domingos Simões Pereira lembrou que o "povo tem direito à manifestação e à expressão da sua vontade soberana" e que cabe às "instituições e respetivos titulares, criarem condições objetivas para que essa manifestação seja livre e pacífica".

O PAIGC, afirmou Domingos Simões Pereira, "exorta ao povo guineense para não baixar os braços, para não ter medo de ser livre e a lutar pela liberdade, sempre de forma pacífica e ordeira, mas com empenho e determinação".

Aos militantes do partido, Domingos Simões Pereira pediu para aguardarem serenamente, mas mobilizados, pelas decisões da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) a serem anunciadas na cimeira de chefes de Estado e de Governo a realizar a 04 de junho em Monróvia, Libéria.
Rispito.com/Lusa, 27-05-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público