sexta-feira, 30 de junho de 2017

Governo anuncia suspensão das actividades da Agência Lusa, RTP e RDP

Image result for Agência Lusa, RTP e RDPImage result for Agência Lusa, RTP e RDPO ministro da Comunicação Social guineense anunciou hoje, sexta-feira, a suspensão das actividades da RTP, da RDP e da Agência Lusa na Guiné-Bissau, alegando a caducidade do acordo de cooperação no sector da comunicação social assinado entre Lisboa e Bissau.
Segundo o ministro Víctor Pereira, as actividades vão ser suspensas à meia-noite de hoje.
Em reação a essa atualidade noticiosa, o Governo português classificou como "um atentado à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa" a intenção do executivo guineense de proceder à suspensão das atividades da RTP, da RDP e da Agência Lusa na Guiné-Bissau.
Image result for governo portuguesEm comunicado enviado pelos ministérios dos Negócios Estrangeiros (MNE) e da Cultura (que tutela a imprensa pública portuguesa), o Governo português "lamenta profundamente a ameaça de suspensão das atividades da RTP, da RDP e da Agência Lusa em Bissau" e considera que "este tipo de ultimatos é inaceitável, especialmente quando se trata de dois países ligados por laços tão estreitos, como Portugal e a Guiné-Bissau".
Image result for Agência Lusa, RTP e RDP"Tal intenção constitui igualmente um atentado à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa, princípios expressamente consagrados na Constituição da República da Guiné-Bissau e igualmente garantidos através dos compromissos internacionais que a Guiné-Bissau assumiu no plano multilateral, incluindo no âmbito das Nações Unidas e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa", sublinha a nota do Governo português.
O ministro da Comunicação Social guineense anunciou hoje a suspensão das atividades da RTP, da RDP e da Agência Lusa na Guiné-Bissau, alegando a caducidade do acordo de cooperação no setor da comunicação social assinado entre Lisboa e Bissau.
Em conferência de imprensa, Vítor Pereira informou que a partir da meia-noite de hoje em Bissau (01:00 em Lisboa) ficam suspensas todas as atividades naquele país dos três órgãos portugueses até que o governo de Lisboa abra negociações para a assinatura de um novo acordo.
O governante adiantou que caberá aos responsáveis dos três órgãos de comunicação social portugueses a gestão concreta dos recursos no terreno, mas deixou claro que "a decisão de suspensão das atividades é explícita".
Em resposta, o executivo português recordou que "as relações de cooperação entre Portugal e a Guiné-Bissau ao nível da Comunicação Social são baseadas no Acordo de Cooperação Técnica e de Intercâmbio no Domínio da Comunicação Social", assinado em 1979, e que foi complementado por um Protocolo Adicional Relativo à Implantação da Televisão na República da Guiné-Bissau, em 1987.
"Nenhum dos dois instrumentos prevê um prazo para cessação de efeitos. Assim, não só não se aplica a alegada caducidade, como também não foi até à data recebida qualquer notificação por parte da República da Guiné-Bissau denunciando especificamente qualquer dos acordos", realça a nota oficial.
O Governo português - que já chamou o embaixador guineense ao MNE para lhe transmitir "a gravidade do ocorrido" - recordou ao executivo guineense que "não exerce qualquer tipo de controlo editorial sobre a RTP, a RDP e a Agência Lusa", sublinhando que estes órgãos "atuam com a mesma independência, imparcialidade e profissionalismo em Bissau com que atuam em todos os países onde estão presentes".

A Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau anunciou hoje estar a acompanhar com “bastante preocupação” a suspensão das atividades da Lusa, RTP e RDP, alertando que este “silenciamento” pode estar relacionado com a entrada de outros ‘media’ no país.
António Nhaga disse esperar que o Governo de Bissau “tenha atenção no processo negocial se é que vai negociar”, para a situação ser restabelecida rapidamente, alertando que nenhum órgão de comunicação social da Guiné-Bissau, incluindo a rádio e televisão públicas, está em condições de “oferecer serviço público de qualidade”.Para o bastonário da Ordem dos Jornalistas, “o Estado tem responsabilidade nisso” e “em dar informação ao cidadão”, sublinhando que “quem fazia esse serviço era a RDP, RTP/África e agência Lusa”.
“Começou a dizer-se que iam trazer outros órgãos estrangeiros. Nós hoje estamos em crer que provavelmente esse é o caminho que eles estão a procurar, agora com o silenciamento de órgãos de comunicação social portugueses”, declarou, para acrescentar que “está aqui um indício”.
O representante da União Europeia em Bissau, Victor Madeira dos Santos, considerou a situação de “uma limitação da liberdade de imprensa” a decisão do Governo guineense de suspender a atividade da RTP, da RDP e da Agência Lusa.
“Nós estamos atentos, em contacto uns com os outros [Bissau e Bruxelas] para decidir qual é a atitude a tomar, mas é evidente que isto é para nós uma limitação da liberdade de imprensa e que terá de ser tratada da maneira que merece”, lamentou o representante da União Europeia (UE), em declarações à agência Lusa.
Victor Madeira do Santos acrescentou que a UE “está atenta” ao desenrolar da situação, estando aquela instituição em “contacto estreito” com o Governo de Portugal, ao nível das duas embaixadas, como ao nível da representação permanente e da sede da União Europeia em Bruxelas.
“Estão a decidir qual será a melhor atitude a tomar relativamente àquilo que aconteceu”, disse.
Rispito.com/Lusa, 30-06-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público