terça-feira, 27 de junho de 2017

José Mário Vaz "chega dois anos e meio atrasado" ao admitir convocar eleições antecipadas

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, “chega dois anos e meio atrasado e continua a insistir num caminho que não lhe é dado”, declarou o antigo primeiro-ministro guineense, à margem da cerimónia de posse como académico correspondente da Academia Internacional da Cultura Portuguesa, em Lisboa.
O chefe de Estado guineense pediu  unidade aos guineenses e admitiu, pela primeira vez, convocar eleições caso não seja encontrada uma solução para o impasse político em que o país vive.
Comentando estas declarações, Simões Pereira começou por lamentar que o Presidente “só chegue a esta conclusão agora” e reiterou a necessidade de ser cumprido o Acordo de Conacri, que prevê a formação de um governo consensual com todas as forças políticas com assente no parlamento guineense.
“Este é o primeiro pressuposto da Constituição. Quando o Presidente começou por invocar a existência de uma nova maioria chamou-se-lhe a atenção que o dispositivo constitucional dá-lhe como competência convocar eleições para validar a representatividade. Não o quis fazer”, considerou o líder do PAIGC.
Para o ex-chefe do Governo guineense, José Mário Vaz “demarca-se, mais uma vez, do Acordo de Conacri e confronta todas as entidades e o próprio povo”.
“Diz que vai devolver a palavra ao povo, mas na verdade está a confrontar o povo, porque recusa a implementação da Constituição e agora também se demarca do Acordo de Conacri”, criticou.
Domingos Simões Pereira insistiu: “O Presidente tem de cumprir o Acordo de Conacri. O voto do povo, em democracia, é uma ordem”.

José Mário Vaz também pediu  entendimento entre os partidos, “sobretudo PAIGC, PRS e Grupo dos 15″, alertando que, caso contrário, “é impossível o programa do Governo e o Orçamento Geral de Estado serem aprovados”.
Posição que o antigo primeiro-ministro disse receber com surpresa.
“Surpreende-me que o Presidente esteja a pedir consenso à volta da aprovação de um programa e de um Orçamento de um Governo inconstitucional e que não está consagrado no Acordo de Conacri”, afirmou Simões Pereira.

DSP condena corte de emissões da RTP e RDP no país
Na ocasião, Domingos Simões Pereira lamentou a decisão do Governo guineense de cortar as emissões da RTP e RDP no país, que considerou "uma demonstração clara do regime" que escolhe "silenciar os cidadãos
"Temos pelo menos de assumir a ambição de sermos melhores do que aqueles que escolhem o caminho da censura e do silêncio, que, dizendo-se autoridades, invadem a privacidade alheia e disso se regozijam. Agora preparam-se, por exemplo, para cortar emissões da RDP e RTP porque algumas vozes aí difundidas não lhes são simpáticas. Para esses o caminho é sempre silenciar o povo", afirmou o responsável do PAIGC e antigo primeiro-ministro.

Domingos Simões Pereira falava segunda-feira na cerimónia de posse como académico correspondente da Academia Internacional de Cultura Portuguesa, que decorreu hoje ao final da tarde, perante dezenas de convidados, que não couberam no auditório Adriano Moreira, na Sociedade de Geografia de Lisboa.
Em declarações aos jornalistas no final, o responsável do maior partido guineense afirmou que a decisão do Governo é "uma demonstração clara daquilo que é o regime implantado no país e que escolhe como caminho para sustentar esse regime o silêncio e a privação da voz dos cidadãos".
Simões Pereira recordou que, enquanto primeiro-ministro da Guiné-Bissau, ouviu, em várias circunstâncias, "cidadãos guineenses que ligavam e que expressavam o seu desconforto, inconformismo, reacção".
"Isso é um barómetro. Quem governa tem que ouvir vozes que discordam daquilo que nós fazemos. E quando nós escolhemos silenciar quem não está de acordo connosco, não estamos a representar a vontade popular", afirmou Simões Pereira, que tinha na lapela o símbolo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), de que foi secretário-executivo.

Numa carta dirigida ao ministro da Cultura português - que tutela a RTP -, o ministro da Comunicação Social guineense, Victor Gomes Pereira, propõe "a suspensão de todas as actividades da RDP-África e RTP-África a partir do dia 30 de Junho, a fim de proporcionar que medida tendentes ao reatamento da cooperação, neste âmbito, caso ainda haja interesse e utilidade, sejam tomadas pelas autoridades portuguesas".

No seu discurso, o político guineense deixou um apelo à luta.
"Quem não se revê nessa postura, quem acredita naquela Guiné prometida e positiva, tem de se cultivar, assumir um compromisso consigo próprio e celebrar cada vitória do seu irmão, do seu companheiro ou do seu camarada, para juntos recolocarmos a nossa auto-estima e reconhecimento aonde já deveria estar ou de onde nunca deveria ter saído", disse.
Simões Pereira comentou que, quando surgiram problemas na Guiné-Bissau, pareceu que "tudo ruiu de vez e ficou difícil de encontrar pontas por onde reiniciar o rendilhado".
"Já não nos serve a simples constatação do que está mal. É mais que evidente que os anos que duraram o nosso coma colectivo produziram forças que tentam a todos o custo sequestrar e ter o controlo absoluto da sociedade e tudo farão para manter esse poder, senão mesmo para desenvolver outras amarras", considerou.

"Precisamos de despertar enquanto povo e de nos mobilizarmos para a luta, sem nunca esquecer que o fazemos não para substituí-los no poder mas pelo nosso apego à liberdade", sustentou.

Uma luta que "tem de ser geral e absoluta", avisou.
"Irá exigir de todos, de quem está na terra, de nós, políticos, da sociedade civil, do cidadão exigente e inconformado, mas também dos que estão fora, para juntos, questionarmos a nossa pertença a este esforço colectivo e darmos algum sentido e razão à nossa existência", defendeu.
Na sua intervenção, sobre "A liberdade como elemento de cultura - reflectindo a Guiné-Bissau", o novo elemento da Academia apresentou-se: "Tenho nome português, mas foi-me ensinado de seguida que não devia ter orgulho nisso".
"Mantenho as muitas coisas que sou de uma só vez: português de nome, africano de raça e terra e de cultura. Que venho eu aqui fazer? Eu pertenço aos comuns mortais, falo de Ronaldo e Messi, gosto de sardinha e cerveja e também das iguarias da terra", comentou.

Afirmou-se como membro de uma geração de africanos que vive "uma encruzilhada, entre a afirmação identitária e os processos que os acompanham". 
"Reclamamos sem reservas o orgulho que os nossos pais não puderam ter de ser, de se dizer ou mesmo de sentir pertença" a África, continuou.
"Somos africanos, mas isso não tem nada a ver com andar descalço, comer com as mãos ou acreditar em rituais de maldição e cura", declarou, recebendo fortes aplausos do auditório
Rispito.com/Lusa, 27/06/2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público