segunda-feira, 5 de junho de 2017

José Mário Vaz afirma que "não violou o Acordo de Conacri"

Na cimeira da CEDEAO, no domingo (04.06), na Libéria, José Mário Vaz falou em "divergências de interpretação" do documento e pediu mais tempo para encontrar uma solução. A ECOMIB prolonga a sua missão no país.
"Na verdade, de Conacri, nenhum nome consensual me foi transmitido, e os acordos remeteram tudo ao Presidente da República para proceder, de maneira consensual, à escolha de um primeiro-ministro da sua confiança política, o que foi feito, assegurando-se do consenso que garanta uma maioria parlamentar estável para viabilizar a ação governativa", disse o chefe de Estado guineense na 51.ª cimeira de chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).
Sob égide daquela organização sub-regional, o Acordo de Conacri, assinado em outubro de 2016, prevê a formação de um Governo de consenso generalizado, integrando todos os partidos representados no Parlamento, e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado.
José Mário Vaz nomeou Umaro Sissoco Emabló como primeiro-ministro, decisão contestada por várias forças partidárias.
Perante os dirigentes da África Ocidental, o Presidente guineense disse que Umaro Sissoco Embaló foi o único dos três nomes propostos que "obteve o consenso de mais de 50% dos deputados".

O Parlamento guineense está paralisado há cerca de dois anos, devido ao impasse político no país
"Houve um abaixo-assinado, dirigido ao Presidente da Assembleia Nacional Popular, aos deputados do PRS (Partido de Renovação Social), deputados dissidentes do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde), do PCD (Partido da Convergência Democrática) e do PND (Partido da Nova Democracia), totalizando 55 deputados num universo de 102", afirmou.
ECOWAS Liberia GruppeAssim, José Mário Vaz entende que a nomeação de Umaro Sissoco Embaló "não violou o Acordo de Conacri, porque aquele não prevê a escolha por unanimidade, mas sim por consenso".
O Presidente teceu ainda críticas ao PAIGC, vencedor das eleições legislativas de 2014, acusando-o de não reconhecer o primeiro-ministro, nem o Governo.
José Mário Vaz disse ainda que o PAIGC, partido que o apoiou na candidatura à presidência da República, "lidera uma campanha de boicote da implementação de todos os outros pontos constantes do Acordo de Conacri".
O chefe de Estado afirmou ainda que a comissão permanente do Parlamento "funciona na ilegalidade", porque quando o PAIGC expulsou os 15 deputados do partido "deixou de ter a maioria" e "mesmo assim continua a bloquear a realização da reunião daquele órgão de soberania".

José Mário Vaz pediu a ajuda da CEDEAO para a abertura do Parlamento. Pediu ainda "mais uma vez" o apoio da organização para "conceder mais tempo para encontrar uma solução para a saída da crise".

defaultNo comunicado final, a CEDEAO instou o Presidente guineense a "cumprir com todas as disposições do Acordo de Conacri". Assim, a organização decidiu "extender o mandato da ECOMIB por mais três meses, de forma a permitir a total implementação do Acordo de Conacri".
Enviada para o país na sequência do último golpe de Estado, em Abril de 2012, a ECOMIB visa garantir a segurança dos titulares dos órgãos de soberania. Em abril, depois de uma missão de avaliação ao terreno, a CEDEAO tinha anunciado a decisão de se retirar da Guiné-Bissau o mais tardar até 30 de Junho.
A CEDEAO reafirmou, em comunicado, a sua "determinação em instituir, se necessário, sanções contra todos aqueles que bloquearem a implementação do Acordo de Conacri".
Na cimeira deste domingo (04.06), em Monróvia, na Libéria, a CEDEAO nomeou o Presidente do Togo, Faure Gnassingbé, como novo presidente da organização, sucedendo à chefe de Estado liberiana, Ellen Johnson Sirleaf. ACEDEAO deu ainda o "acordo de princípio" para a adesão de Marrocos devido aos "fortes laços de cooperação com a África Ocidental", lê-se no comunicado.
Rispito.com/DW, 05-06-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público