sábado, 10 de junho de 2017

Presidente do Parlamento reafirma determinação em cumprir Acordo de Conacri

defaultCipriano Cassamá diz que não há "outra fórmula" para acabar com a crise em Bissau e reitera a necessidade de nomear Augusto Olivais para o cargo de primeiro-ministro.
Qualquer "outra fórmula" fora do Acordo de Conacri irá "perpetuar a crise com todos os prejuízos dela decorrente, na Guiné-Bissau. A afirmação é do presidente do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá, que reiterou a determinação da Assembleia Nacional Popular em cumprir com as recomendações da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).
"O Acordo de Conacri aponta soluções mais sensatas para termos um primeiro-ministro de consenso e, ato contínuo, um executivo de base parlamentar alargada, que proporcionaria a elaboração por consenso dos partidos com assento parlamentar do programa e do Orçamento Geral do Estado, reservando à Assembleia a sua adoção", afirmou Cassamá, esta sexta-feira (09.06) no Parlamento, após ter regressado de uma missão ao Togo.
Em relação àcimeira da CEDEAO, realizada no domingo (04.06), Cipriano Cassamá congratulou-se com o fato de a organização da África Ocidental ter reafirmado a sua "determinação em fazer cumprir o Acordo de Conacri e aplicação de sanções aos que continuam a dificultar a sua implementação".
Durante o encontro, o Presidente José Mário Vaz pediu à comunidade internacional mais tempo para a aplicação do acordo, alegando "divergências de interpretação do documento". A CEDEAO tinha dado um prazo de 30 dias para que o país cumprisse o acordo. Este prazo expirou no dia 25 de maio.
Cipriano CassamáPara Cipriano Cassamá, a CEDEAO "quis dar mais uma 'chance' ao chefe de Estado, enquanto primeiro ator no cumprimento do acordo, nomeadamente ao ponto que refere a exoneração de Umaro Sissoco Embaló (atual primeiro-ministro) e a consequente nomeação de Augusto Olivais".
"Convém lembrar-vos que o Presidente da comissão da CEDEAO sublinhou durante a apresentação do seu relatório que Augusto Olivais foi o nome consensual saído de Conacri para ocupar o cargo de primeiro-ministro", disse. 
Cipriano Cassamá ressaltou também que foi o Presidente José Mário Vaz que solicitou "alguns dias" para cumprir o acordo, pelo que, "deve aproveitar esta oportunidade para devolver ao povo guineense e à Guiné-Bissau a paz, a estabilidade que lhe foi privada, exonerando o atual primeiro-ministro e nomeando a figura que foi consensual na cimeira de Conacri".
O Acordo de Conacri, patrocinado CEDEAO, foi assinado em outubro de 2016 e prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado.
Rispito.com/DW, 09-06-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público