terça-feira, 6 de junho de 2017

Sindicatos dos professores chegaram acordo com governo

O Governo da Guiné-Bissau e os sindicatos dos professores chegaram a acordo, pondo fim à greve iniciada a 29 de maio, anunciou hoje fonte sindical.
O acordo entre o Governo e os sindicatos, Sinaprof e Sindeprof, foi rubricado na segunda-feira.
Laureano Pereira, porta-voz dos dois sindicatos para as negociações, defendeu que a "batalha foi ganha" pelos professores que, ao fim de quase seis anos, conseguiram a aplicação do Estatuto de Carreira Docente ainda este ano letivo.
"Conseguimos alcançar um entendimento. Vamos ter aquilo que é a nossa principal revindicação, desde 2011, que é a aplicação dos Estatutos da Carreira Docente (ECD)", sublinhou Laureano Pereira.
O sindicalista não especificou de concreto os ganhos que os professores passarão a ter com a aplicação do ECD, mas frisou que o Governo, mesmo salientando ser uma iniciativa onerosa para as Finanças Públicas, se comprometeu a pagar.
"Podemos dizer que os professores estão de parabéns porque conseguiram aquilo que para que lutaram. É uma realidade irreversível", realçou Laureano Pereira, adiantando que as dívidas aos professores de "todas as categorias" serão pagas, segundo um compromisso do executivo.
O sistema do ensino público da Guiné-Bissau conta com professores com diferentes estatutos, nomeadamente os efetivos, contratados e do novo ingresso, isto é, aqueles cujos nomes ainda não constam dos registos no Tesouro Público.
Laureano Pereira afirmou que há um compromisso entre o Governo e os sindicatos para as dívidas em atraso começarem a ser pagas ainda este mês e pediu aos professores para regressarem às aulas.
Uma fonte do Sindicato Nacional dos Professores (Sinaprof) disse à Lusa que se os movimentos de greves não cessarem o ano letivo "corre riscos de ser um fiasco" uma vez que dos 180 dias de aulas previstos no calendário escolar apenas foram cumpridos cerca de 70.
Rispito.com/Lusa, 06-06-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público