sábado, 14 de outubro de 2017

APU da Guiné-Bissau avisa que não vai aceitar eleições organizadas pelo atual Governo

O presidente da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU -PDGB), Nuno Nabian, acusou hoje o Presidente e o Governo de "incompetência" e avisou que não vai aceitar que o primeiro-ministro organize as próximas eleições.

Vamos dizer ao Jomav (como é tratado o Presidente no país) que esta intenção (de adiar as eleições e ser o atual Governo a organizá-las) não vai acontecer nunca. Custe o que nos custar isso não vai acontecer nunca", afirmou Nuno Nabian.

O presidente da APU - PDGB ficou em segundo lugar nas eleições presidenciais de 2014.
As eleições presidenciais na Guiné-Bissau estão previstas para 2019 e as legislativas para 2018. E que segundo Nuno Nabian o presidente José Mário Vaz está em manobras de forjar o seu adiamento ou pretender que este governo as organize.

"Depois de nomear vários governos, o Presidente (José Mário Vaz) acabou por nomear o pior Governo e é este Governo ilegal e inconstitucional que o Presidente quer que organize eleições em 2019 ou 2020", afirmou, em conferência de imprensa, Nuno Nabian.

Na conferência de imprensa, Nuno Nabian afirmou que o Presidente guineense "está enganado" e que o atual Governo, liderado por Umaro Sissoco Embaló, "não vai organizar eleições no país e que fique claro para todo o povo" guineense.
"Não podemos hipotecar o futuro do nosso país por mais cinco anos com gente incompetente e intriguista e que não ama a Guiné-Bissau. Não vamos aceitar isso nunca", salientou.

Questionado pela Lusa sobre as afirmações, Nuno Nabian disse que já advertiu o Presidente da República que "nenhum partido" vai aceitar as manobras já iniciadas, referindo-se à cartografia eleitoral, considerando que o processo tem falta de transparência.

Na conferência de imprensa, Nuno Nabian fez duras críticas ao Presidente José Mário Vaz e ao primeiro-ministro guineense, acusando-os de estarem a vender e a endividar o país, dando como exemplo, a privatização dos portos, a entrega de Bolama a uma empresa, que "ninguém sabe de onde vem".
"A Guiné-Bissau vai ter problemas", afirmou Nuno Nabian, salientando que um chefe de Estado tem de ser nacionalista, patriota e "alguém que goste do povo".

Nuno Nabian alertou também os dirigentes guineenses que o mundo está atento ao que se passa na Guiné-Bissau e que o hoje o "país está vulnerável" e que está entrar "dinheiro sujo, droga e, certamente, armas". "Tudo está a entrar para a Guiné-Bissau", disse.
Rispito.com/Lusa, 14-10-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público