sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Professores marcam novo greve entre 06 e 24 de Novembro 

Dois sindicatos de professores da Guiné-Bissau emitiram um pré-aviso de greve para o período entre 06 e 24 de Novembro, para exigir o cumprimento do memorando assinado com o Governo, em Junho.
Em comunicado, o Sindicato Nacional dos Professores e o Sindicato Democrático dos Professores exigem o pagamento de salários em atraso relativos a 2003/2004 e 2005/2006, os salários a professores contratados referentes ao ano lectivo de 2016/2017 e a conclusão do pagamento de salários aos professores da categoria "novos ingressos".
Os sindicatos exigem também a melhoria das condições de trabalho, formação, construção de infraestruturas escolares e incentivos aos professores colocados nas regiões isoladas, entre outros pontos.
No comunicado, os sindicatos manifestaram "total abertura para um diálogo franco" com o Governo.
O ano lectivo, na Guiné-Bissau, teve início em meados de Outubro, mas as escolas públicas continuam encerradas, devido à falta de comparência de alunos e professores.
O Governo, por seu lado, através de um comunicado do Conselho de Ministros, considera lamentável a posição dos sindicatos de professores.
Para o Conselho de Ministros, “o posicionamento do Sindicato Nacional dos Professores e do Sindicato Democrático dos Professores, além de lamentável, torna-se inexplicável e constitui um sério atentado ao princípio da legalidade e da boa colaboração entre o patronato e os sindicatos".
Segundo o comunicado, na defesa dos "superiores interesses do país", o Governo decidiu iniciar negociações com os sindicatos dos professores.
Rispito.com/Angop, 03-11-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público