domingo, 10 de dezembro de 2017

José Mário Vaz "orgulhoso" com novo aeroporto internacional do Senegal

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, afirmou hoje estar orgulhoso com o novo aeroporto do Senegal, cuja inauguração assistiu, quinta-feira, em Dacar, tendo regressado esta sexta-feira à Bissau.
Em declarações aos jornalistas no aeroporto Osvaldo Vieira de Bissau, o líder guineense defendeu que o novo aeroporto, Blaise Diagne, não só orgulha os senegaleses mas também a todos os africanos.
Para José Mário Vaz, a construção do novo aeroporto, "deveu-se à paz e estabilidade que o Senegal conhece".
"Vê-se que o Senegal está a crescer e a desenvolver", frisou o Presidente guineense.
O aeroporto Blaise Diagne (um político senegalês que viveu entre 1872-1934) e que foi o primeiro deputado negro eleito, em 1914, para o Parlamento francês, custou ao Estado senegalês cerca de 600 milhões de euros e terá capacidade para acolher anualmente 3,5 milhões de passageiros.
À margem das festividades, o Presidente guineense, manteve encontros de trabalho, nomeadamente com o seu homólogo senegalês, Macky Sall e com os embaixadores de alguns países acreditados em Dacar.
Com todos os interlocutores, José Mário Vaz disse ter abordado a situação política na Guiné-Bissau e de todos recebeu indicações em como a solução para os problemas deve ser encontrada entre os guineenses, enalteceu.
"Todos os países têm os seus problemas, mas os problemas dos países estão circunscritos a cada país que tenta resolver o seu próprio problema mas infelizmente, nós guineenses, temos um problema terrível, internacionalizamos os nossos problemas", afirmou José Mário Vaz.
Para o líder guineense, o problema é quando os assuntos transbordam para fora do país.
"Quando os problemas são internacionalizados significa que a solução também deve ser internacionalizada e é triste que assim seja, porque há países com muito mais problemas graves do que a Guiné-Bissau", observou José Mário Vaz.
Na Guiné-Bissau, acrescentou ainda Mário Vaz, a paz reina, o que existe são desentendimentos entre a elite política. "A Guiné-Bissau é de todos e para todos, não pode ser um país de um grupinho", sublinhou o líder guineense.
Rispito.com/Lusa, 09-12-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público