sábado, 3 de fevereiro de 2018

ONU e União Africana preocupadas com crise na Guiné-Bissau

Image result for Moussa Faki MahamatImage result for antonio guterresEm comunicado conjunto, ambas as organizações denunciaram ações tomadas pela partes que querem "obstruir e evitar a resolução" do impasse político; tentativa de impedir congresso do Paigc também foi condenada.

A ONU e a União Africana, UA, condenaram ações tomadas pelas autoridades da Guiné-Bissau de proibir a realização de um congresso do Partido Africano da Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde, Paigc.

Em comunicado conjunto, o presidente da UA,  Moussa Faki Mahamat, e o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmaram que estão preocupados com o que chamaram de uma "crise política prologanda" apesar de várias oportunidades para se formar um consenso
Ambos os líderes condenaram ações tomadas por indivíduos que tentam obstruir e evitar a resolução da crise.
A mais recente tensão política na Guiné-Bissau começou em agosto de 2015, quando o presidente do país, José Mário Vaz, demitiu o governo do primeiro-ministro eleito, Domingos Simões Pereira.

Esta semana, autoridades guineenses enviaram forças nacionais à sede do Paigc para evacuar os participantes do congresso e impedir a realização do evento.

A ONU e a União Africana pediram às autoridades guineenses que respeitem os direitos humanos e às leis internacionais suspendendo, imediatamente, todas as restrições à reunião pacífica e à liberdade de expressão.

Acordo de Conacri
Guterres e Faki Mahamat endossaram, inteiramente, as decisões dos Chefes de Estado e Governo da Cedeao, anunciadas às margens da Cimeira da União Africana em Adis Abeba, que afirmam o Acordo de Conacri.

O documento recomenda a indicação de um primeiro-ministro por consenso para o país, entre outras medidas.

O comunicado conjunto da União Africana e da ONU revelam que ambas as organizações continurão seguindo de perto a situação na Guiné-Bissau e apoiando as ações da Cedeao de assegurar uma resolução rápida para a crise, o que pode incluir medidas adicionais sobre a Guiné, caso seja necessário.
Rispito.com/Radio ONU, 03-02-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público