quinta-feira, 12 de abril de 2018

Agricultores pedem a Presidente solução para compra do cajua

Image result for Mamadu Jamanca guine bissauO líder dos agricultores pediu a José Mário Vaz uma solução "nos próximos dias" que  passar pela aquisição de toda a castanha do caju pelo Estado ou por um comprador internacional.

O presidente da Associação Nacional dos Agricultores da Guiné-Bissau (ANAG), Jaime Gomes, apelou esta quarta-feira ao Presidente guineense, José Mário Vaz, para arranjar uma solução para a compra da castanha do caju, principal produto agrícola do país.

Em conferência de imprensa, o líder dos agricultores guineenses pediu a José Mário Vaz que arranje uma solução “nos próximos dias”, sublinhando que a solução poderá passar pela aquisição de toda castanha pelo Estado ou um comprador internacional. “Apelamos o Presidente da República que nos tire o nosso caju das mãos”, observou Jaime Gomes para quem existem pessoas que querem sabotar a intenção de José Mário Vaz.

Image result for Mamadu Jamanca guine bissau
O Presidente guineense anunciou, a 24 de março, que o preço de referência de compra do caju no produtor em 2018 será de mil francos cfa (cerca de 1,5 euros), mas desde aquela altura o produto não tem sido comprado pelos comerciantes. Várias vozes já se levantaram contra o preço anunciado pelo líder guineense.

O presidente da associação dos exportadores, Mamadu Jamanca, disse à Lusa que a sua classe não irá participar na campanha de comercialização do caju em 2018, por não concordar com o preço base anunciado por José Mário Vaz. Empresários indianos, os principais compradores do caju guineense, e os da Mauritânia, prometeram a José Mário Vaz que vão comprar o produto pelo preço base estipulado.

O líder dos agricultores guineenses deu até ao próximo dia 20 para se começar a vender o caju. Caso isso não aconteça promete “uma grande manifestação” dos produtores em Bissau. “Vamos responsabilizar o Estado”, declarou Jaime Gomes, que se solidariza com o Presidente guineense, que disse, quer ajudar a população camponesa, embora também tenha visado objetivos políticos, enfatizou.

Para Jaime Gomes, os agricultores guineenses “deviam agradecer a Jomav” (nome pelo qual é conhecido José Mário Vaz) por ter sido o dirigente que fixou o preço do caju a mil francos cfa por quilograma.
Rispito.com/Observador, 12-04-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público