sábado, 7 de abril de 2018

Cultura tradicional do caju não ajuda Guiné-Bissau a desenvolver-se

Cultura tradicional do caju não ajuda Guiné-Bissau a desenvolver-seO economista guineense Santos Fernandes defendeu uma aposta na industrialização do setor do caju na Guiné-Bissau, salientando que a cultura tradicional que ainda se pratica não ajuda o país a desenvolver-se.

Este é o grande paradoxo que vivemos. Continuamos a ter a cultura do caju de uma forma muito tradicional e isto não ajuda um país, que se quer expandir e desenvolver-se a partir da castanha de caju. Isto tem de ser repensado do ponto de vista económico e técnico", afirmou à agência Lusa o economista.
Segundo o economista, é preciso pensar na industrialização do caju, que representa mais de 90% das exportações do país.
"Tem-se falado do crescimento à volta da castanha de caju, mas não se tem falado de investimento nas infraestruturas a favor do caju", disse.

Questionado sobre o preço de referência de compra ao produtor fixado para a campanha de comercialização deste ano, 1.000 francos cfa (cerca de 1,5 euros) o quilograma, Santos Fernandes lembrou que o caju é um produto cotado em bolsa.
"Isso significa que por mais que uma pessoa tenha boas intenções, tem de ter essa variável em atenção, porque, por exemplo, suponhamos que o dólar em determinado período dispara, sofre uma apreciação, e os produtos comprados a partir do dólar passam a ser mais apreciáveis e quando se tomam medidas políticas é preciso analisar todas essas variáveis para não cair em erro", sublinhou.

O economista salientou também que se a campanha começa com um preço de 1.000 francos cfa "é expectável" que suba até aos 1.500 francos cfa (cerca de 2,29 euros), mas a realidade pode ser outra.
"Pelos indicadores que nós temos, pelas decisões e análises do Governo da Costa Marfim, tudo indica que não é realista. E não estou em crer que consigamos vender toda a nossa castanha nesse valor. Seria bom", afirmou.
"Como guineense é salutar que os nossos produtos estejam a ter algum lucro nisto, mas como técnico acho que este preço não é realista comparativamente aos países da sub-região. A 15 de fevereiro a Costa do Marfim anunciou um preço de referência de 500 francos cfa por quilograma (cerca de 0,76 cêntimos de euro)", acrescentou.

Para Santos Fernandes, quem determina o preço é o mercado e os seus agentes e a Guiné-Bissau "acaba por sujeitar-se à dinâmica dos mercados".
A castanha de caju é o principal produto de exportado pela Guiné-Bissau e o seu elevado preço tem suportada uma "atividade económica dinâmica" no país, segundo o Fundo Monetário Internacional.
Rispito.com/Moticio ao Minutos 07-04-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público