segunda-feira, 16 de julho de 2018

Antigo secretário-executivo espera avanços sobre economia e mobilidade

Foto de Braima Darame.O antigo secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Domingos Simões Pereira espera que a próxima cimeira da organização trate os temas económicos e a circulação dos cidadãos lusófonos, saudando Cabo Verde por "revisitar" as questões da língua.

"Espero que a cimeira do Sal traga novos desafios para a organização. No passado recente já se tentou introduzir os temas económicos e os desafios de uma maior circulação de pessoas e bens no espaço comunitário", considerou o antigo responsável da CPLP, falando à Lusa a propósito da XII conferência de chefes de Estado e de Governo da comunidade, que decorre na terça e na quarta-feira em Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde.

Domingos Simões Pereira, que chefiou o secretariado-executivo da CPLP entre 2008 e 2012, salientou que a organização "depende daquilo que os Estados queiram delegar como intervenção" da comunidade.

O também antigo primeiro-ministro guineense e líder do PAIGC comentou que gostaria de ver resolvida a questão da mobilidade dos cidadãos lusófonos, mas, alertou, a CPLP "não vai poder resolver se os Estados não cederem à organização essa competência e oportunidade".

"Espero que a questão económica possa ser tratada", referiu ainda.

A facilitação da circulação dos cidadãos lusófonos é uma medida que tem sido defendida há muito no seio da CPLP, em particular por Portugal e Cabo Verde.

Na próxima conferência de chefes de Estado e de Governo, deverá ser aprovada uma resolução que incentive os países a aprofundar a mobilidade, mas Cabo Verde já assumiu o compromisso de procurar avançar nesta área, durante a presidência temporária da CPLP, que assegurará a partir da cimeira.

Cabo Verde também quer incentivar a cooperação económica e empresarial.

Simões Pereira saudou ainda o facto de Cabo Verde querer "voltar ao ponto de partida, revisitando as questões que têm a ver com a língua".

Cabo Verde, sublinhou, "está muito bem posicionado para aportar um contributo extraordinário à organização".

O antigo responsável considerou que "há muitos assuntos que noutros Estados-membros ainda são temas de difícil abordagem e que Cabo Verde tem uma relativa facilidade em tratar", apontando como exemplos "uma certa pacificação na relação entre a sociedade civil e as instituições públicas" ou "políticas públicas que em Cabo Verde são bastante mais pacíficas, como as questões dos direitos humanos ou liberdade de expressão".

Domingos Simões Pereira expressou a sua satisfação por a CPLP, que celebra 22 anos, "continuar viva e a justificar a sua existência".

Durante a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, com o lema "Cultura, Pessoas e Oceanos", Cabo Verde vai assumir o exercício da presidência desta organização, durante o período de dois anos.

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os Estados-membros da CPLP.
Rispito.com/Lusa, 16-07-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público