sexta-feira, 13 de julho de 2018

UNTG marcha nas ruas de Bissau

mediaA União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau - UNTG - realizou na passda quarta-feira uma marcha na capital guineense, para exigir o cumprimento dos acordos rubricados com o governo.

A União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau - UNTG - convocou a quinta vaga de três dias de greve dos funcionários públicos em 2018, que terminou (12/07), para exigir o cumprimento do acordo sobre reajuste salarial que data de Dezembro de 2016 e foi reiterado em Outubro de 2017.

A adesão tem sido superior à dos movimentods anteriores dado que as reivindicações incluem a aprovação do Estatuto de Carreira Docente, aprovado e promulgado em 2015 e não aplicado, o que motivou a greve convocada pelo SINAPROF até à próxima sexta-feira (13/07), mas também o cumprimento do acordo de 2014 no que diz respeito aos funcionários das alfândegas, ou ainda denunciar o não pagamento de salários aos funcionários dos correios há mais de 130 meses.

José Alves Té, porta-voz da comissão negocial da UNTG, afirma que o próprio primeiro-ministro Aristides Gomes reconheceu que são legítimas as reivindicações dos funcionários públicos, embora tenha pedido uma moratória nas greves que estão a paralizar o país.

Cerca de 200 pessoas marcharam em Bissau, mas José Alves Té considera que o "mais importante não são os números, mas alertar as pessoas e a consciência de todos os guineenses, de que os direitos não se dão de mão beijada, temos é que lutar pelos nossos direitos".
Rispito.com/RFI, 13-07-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público