segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Federação camponesa guineense pede prudência na colaboração com China no arroz

O líder da Kafo, a mais importante federação de camponeses da Guiné-Bissau, com mais de 20 mil membros, Sambu Seck, recomenda "máxima prudência" das autoridades na cooperação com a China, para produção do arroz no país.
Image result for cultivo de arroz da guine bissauEm entrevista à agência Lusa, Sambu Seck comentou a abertura, anunciada pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, de a China cooperar com o país no domínio da Agricultura, nomeadamente na produção do arroz.
Seck, cuja federação enquadra camponeses das regiões de Oio, Bafatá e Cacheu, sobretudo mulheres, não desdenha a cooperação chinesa, mas pediu prudência das autoridades, salientando o facto de o país "ter ótimas condições e um grande saber" na produção daquele cereal.
O secretário-geral da Kafo receia a possibilidade de a China trazer para Guiné-Bissau o "chamado arroz hibrido" que, disse, ajuda a aumentar a produção, mas, também poderá acarretar "muitas consequências" para um país que tem mais de 100 variedades do arroz.
Aceitar a introdução de variedade híbrida, isso poderá trazer consequências graves no nosso património genético", observou Sambu Seck, que destaca ainda o facto de aquele arroz necessitar de "muito adubo e fertilizante".
O líder da Kafo assinalou que a experiencia da presença da China na produção do arroz no passado recente na Guiné-Bissau "não deixou boas lembranças", referindo-se às bolanhas (arrozais) no leste e norte do país, onde, disse, após a saída de técnicos chineses, voltaram a baixar do rendimento, depois de "bons anos de colheitas".
"Aquelas 'bolanhas' baixaram de rendimento por uso excessivo de fertilizantes pelos chineses", observou Sambu Seck.
O responsável defende que a cooperação com a China no domínio da Agricultura devia antes ser orientada para formação de quadros, transferência de tecnologia e o apoio à produção, mas respeitando os "conhecimentos milenares" dos produtores do arroz guineenses.
Sambu Seck é de opinião que as autoridades de Bissau deviam solicitar à China a formação de novos engenheiros agrónomos guineenses, já que o grosso da geração daquela classe está na pré-reforma.
O mesmo pedido seria também feito à Portugal, disse.
"Portugal pode ajudar a Guiné-Bissau na formação de agrónomos, como já fez no passado", notou Seck, citando os nomes de Carlos Schwartz (Pepito), Tumane Mané e o fundador da nacionalidade guineense, Amílcar Cabral, todos formados pelo ISA (instituto Superior da Agronomia), frisou.
Rispito.com/Lusa, 10-09-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público