quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Lei da Paridade não avança na Guiné-Bissau 

Lei da Paridade engavetada no Parlamento da Guiné-Bissau à espera da sua aprovação na especialidade, facto que segundo Rede das Mulheres evidencia que a mesma não será promulgada antes das próximas eleições legislativas.
A lei que fixa uma quota mínima de 36% de mulheres nas listas de candidaturas para cargos eletivos, foi aprovada na generalidade a 2 de Agosto deste ano pelo Parlamento guineense e deveria ser promulgada até 60 dias antes das eleições legislativas. Mas acontece que a referida lei continua à espera da sua aprovação na especialidade e, consequentemente, a entrada em vigor.

A deputada e presidente da Rede das mulheres parlamentares, Suzi Barbosa, disse à DW África que a lei ainda não foi enviada para a Presidência da República, o que deita por terra a  possibilidade de ser promulgada pelo chefe de Estado ainda antes das eleições legislativas, previstas para 18 de novembro.
Recorde-se, que depois da aprovação na generalidade da Lei de quotas, a Comissão Especializada da Mulher e Criança no Parlamento guineense introduziu algumas emendas para que a legislação fosse transformada numa Lei da Paridade, mais adequada e abrangente à realidade de um país onde as mulheres representam 52% do total da população atualmente estimada em cerca de 1,7 milhões de habitantes.

Lei da Paridade encontra obstáculos
Concluídas as emendas efetuadas à lei, falta agora solicitar ao Parlamento para que a mesma seja aprovada na especialidade, o que ainda não aconteceu apesar de inúmera diligências feitas pelas organizações femininas da Guiné-Bissau, como nos explica a deputada Suzi Barbosa.
"Nós temos estado a fazer uma pressão junto do Parlamento para que realmente seja agendada uma sessão visando a aprovação  atempada da lei de Paridade. Porque há uma questão legal . Essa aprovação teria que ocorrer 60 dias antes da data das eleições. Mas como o ato dá conta esta data já expirou e será muito difícil a sua aprovação antes das eleições".
Sem a aprovação da nova lei e a promulgação pelo Presidente da República, José Mário Vaz, os partidos políticos não serão obrigados a aumentar a representatividade das mulheres nas suas respetivas listas de candidatos para a próxima legislatura.

Apelo aos partidos políticos
A deputada Suzi Barbosa disse que a sociedade civil no seu todo já tinha realizado um trabalho prévio junto do Presidente guineense para que promulgasse a lei logo que chegasse às suas mãos para que entrasse em vigor ainda antes de novembro. Assim, Suzi aproveitou a entrevista para lançar um apelo aos partidos políticos para que um engajamento efetivo tenha lugar.
"Convidamos os partidos políticos para respeitarem os compromissos. Mesmo que a lei não seja promulgada antes das próximas eleições, que cumpram as orientações expressas pela vontade do povo. A sociedade civil  manifestou claramente essa votante e nós (deputados) deveríamos ter aprovado esta lei antes das eleições. Cabe agora aos partidos respeitar esta orientação de 36% das mulheres guineenses", concluiu.

Falta a justiça social
Lembramos que as mulheres guineenses defendem uma quota de, pelo menos 40% de participação nas instâncias de decisão, mas após acesos debates no Parlamento, os deputados aprovaram somente uma quota concernente a 36% de lugares às mulheres nas listas de candidatos a cargos eletivos. Face a esta decisão, a organização das mulheres guineenses entende que não pode haver justiça social enquanto a classe feminina continuar excluída dos órgãos de decisão.
Por seu lado, Aissatu Indjai, vice-presidente da Plataforma Política das Mulheres diz que existe uma nítida falta de vontade política que permita a participação das mulheres nos órgãos de decisão na Guiné-Bissau .
"Acho que não há vontade política. Se houvesse essa vontade não teríamos a necessidade de ter uma lei específica de quotas. Foram feitos trabalhos com vários partidos políticos para que tivessem em conta a participação feminina nas tomadas de decisão. Infelizmente todo esse esforço foi em vão".

ONU congratula-se
Há duas semanas, a representação das Nações Unidas na Guiné-Bissau saudou a aprovação na generalidade da nova Lei da Paridade, considerando a legislação como "uma forma mais justa de aumentar a representatividade das mulheres na política guineense", lê-se num comunicado divulgado pela ONU em Bissau.
Rispito.com/WD, 27-09-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público