segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Presidente guineense pede campanha eleitoral serena e sem insultos 

A imagem pode conter: 1 pessoaO chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, pediu aos partidos políticos da Guiné-Bissau, que se preparam para as eleições legislativas de 18 de Novembro, para fazerem uma campanha eleitoral serena e sem insultos.
"Faço votos que o período da campanha decorra com serenidade, e que os partidos políticos consigam esclarecer aos guineenses sobre os problemas reais do país e assinalar o caminho e apontando soluções para os problemas identificados, porque discordar não significa insultar", afirmou José Mário Vaz.
O pedido foi feito durante o discurso que fez à Nação por ocasião do 45.º aniversário da independência da Guiné-Bissau, proclamada em 1973 por João Bernardo "Nino" Vieira.

Referindo-se ainda às legislativas, José Mário Vaz pediu à população para fazer o recenseamento e ir votar porque é a sua "oportunidade soberana" de avaliar o trabalho feito pelos partidos políticos.
O chefe de Estado disse também aos eleitores para votarem em consciência e nunca darem o seu voto em troca de favores pela "amizade, pelos laços familiares, pela tribo, religião".
O Presidente guineense pediu ainda ao Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral, Comissão Nacional de Eleições, partidos políticos, sociedade civil e cidadãos para "vigiarem o processo de recenseamento" para evitar "protestos futuros".
"Tudo depende de nós, ou seja, todo o processo do recenseamento está nas nossas próprias mãos", disse.
O recenseamento eleitoral para as legislativas na Guiné-Bissau começou na semana passada, com quase um mês de atraso.
Rispito.com/Lusa, 24-09-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público