sexta-feira, 5 de outubro de 2018

União Africana quer ajudar Guiné-Bissau a fazer revisão constitucional

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em péO presidente da Comissão da União Africana, Mussa Faki Mahamat, disse durante sua visita em Bissau de que "há um problema Constitucional" na Guiné-Bissau e que a organização está disposta a dar apoio técnico para a solução da questão.
"Tive oportunidade de falar com o ministro dos Negócios Estrangeiros, primeiro-ministro, presidente do parlamento e com o senhor Presidente da República e constatou-se claramente que há um problema constitucional na Guiné-Bissau", afirmou Mussa Faki Mahamat.

O presidente da Comissão da União Africana falava aos jornalistas no final de um encontro com o chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, no âmbito de uma visita de 24 horas que estva a fazer a Bissau para analisar a evolução política no país.
"A União Africana, em concertação com a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), pode dar um apoio técnico para a solução da questão", disse, sublinhando que há conflitos de competência no seio do Estado.

Mussa Faki Mahamat afirmou acreditar que é preciso "implantar um dispositivo para clarificar as atribuições de cada".
"A duplicação ou triplicação de hierarquias à testa de um Estado nunca é uma boa escolha e, geralmente, o exemplo é recorrente em África, quando coisas do género acontecem são feitos referendos para dotar o país de uma Constituição que possa de maneira clara e precisa definir as atribuições de uns e de outros para um funcionamento harmonioso das instituições", salientou.

Mussa Faki Mahamat sublinhou também que a Guiné-Bissau está numa fase importante da sua história política e institucional com eleições legislativas previstas para Novembro e presidenciais em 2019.
O presidente da Comissão da União Africana confirmou o apoio da organização ao processo eleitoral com uma missão técnica e de observação eleitoral.
Rispito.com/DN, 05-10-2018


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público