segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Mbála Fernandes quer mais história da Guiné e Cabo Verde nos currículos escolares 

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado e bebidaO embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde, Mbála Fernandes, defendeu maior divulgação de conteúdos da história dos dois países nos currículos escolares mútuos.

“É preciso incutir na nova geração que Cabo Verde e a Guiné-Bissau, nós somos obrigados a conviver para o resto da nossa existência”, disse Mbála Fernandes, em entrevista à agência Lusa.

A luta armada na Guiné-Bissau foi feita com muitos quadros cabo-verdianos e os dois países partilharam o governo durante os primeiros anos de independência.

A referência da união é Amílcar Cabral, o cabo-verdiano que liderou a guerrilha na Guiné-Bissau contra o poder colonial português, mas, para o diplomata guineense, a visão dos dois países sobre o político é “totalmente diferente”.

“Para nós continua a ser aquela luz e guia de todos os cursos transversais, de todos os quadrantes políticos. Em Cabo Verde têm outra visão”, afirmou, defendendo que “é necessário reeducar as pessoas, no sentido de conhecerem a sua identidade nacional”.
“Na Guiné-Bissau temos feriado a 20 de janeiro por ser o dia da morte de Cabral, a 23 de janeiro, dia dos antigos combatentes vivos, a 30 de janeiro, dia das mulheres na Guiné-Bissau, dia em que morreu Titina Sila, quando se dirigia à Guiné para assistir ao funeral de Amílcar Cabral”, salientou o diplomata.
Rispito.com/Lusa, 17-12-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público