quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Mercado de Gã Mamudo, em Bafatá
Dia de lumo, a feira semanal que decorre todas as 2.ªs feiras nos mercados da Guiné-Bissau. Estamos no mercado de Gã Mamudo, em Ganadu, na região de Bafatá. À venda produtos como pimenta, tomates, pimentos, cebolas, beringelas, mancarra (amendoim), melancia, peixe seco e galinhas.

Com o objetivo de contribuir para melhorar o escoamento dos produtos agrícolas produzidos na região de Bafatá, para a dinamização das cadeias de valor dos produtos agrícolas e, consequentemente, para o desenvolvimento agro económico da região, a construção do mercado de Gã Mamudo surgiu como uma das prioridades identificadas no Plano de Desenvolvimento Agrícola da região de Bafatá, no quadro do projeto UE-ACTIVA – Eixo 1: Governação Territorial. O mesmo aconteceu com a construção dos mercados de Komo, na região de Tombali e de Nova Sintra, em Quinara.

Inaugurado no dia 24 de janeiro de 2018, o mercado inclui um hangar com mesas e bancos e capacidade para cerca de 50 pessoas, 6 espaços (cacifos) para a realização de pequenos negócios e duas latrinas. O mercado recebeu também painéis solares para os cacifos e para o hangar, e bidons para armazenar água nas latrinas. Beneficiou ainda de uma zona de restauração. As senhoras que aí trabalham receberam fogões melhorados.

Com uma gestão partilhada entre as autoridades locais e a comunidade, o mercado de Gã Mamudo beneficia Ganadu, uma região com grande potencial agrícola (horticultura e orizicultura), com uma população total de 25000 pessoas, bem como os setores vizinhos de Mansabá, Contuboel e Bafatá.

Nas 3 regiões-alvo do projeto – Bafatá, Tombali e Quinara – a construção dos mercados seguiu uma mesma metodologia de trabalho, em permanente diálogo com a comunidade e as autoridades locais.

Em primeiro lugar foi consultado o Plano de Desenvolvimento Local, desenvolvido pelo projeto para a regiões e para os setores, e identificadas as necessidades prioritárias e os respetivos impactos positivos na comunidade.

Foram realizados encontros de auscultação com os atores locais sobre a construção do mercado, foi assinado um termo de compromisso da contrapartida da comunidade nas obras de construção do mercado (fornecimento dos materiais locais, como areia e pedras). Posteriormente, foi lançado um concurso público para a elaboração do desenho gráfico e construção dos mercados, e contratado um fiscal e um supervisor das obras.

A primeira pedra para a construção do mercado de Gã Mamudo foi lançada no dia 30 de agosto de 2017 e o início das obras aconteceu em setembro do mesmo ano. As obras tiveram a duração de 3 meses.

Foi elaborado, aprovado e assinado um Memorando de Entendimento para a gestão partilhada do mercado, que incluiu a constituição dos órgãos de gestão e partilha de receitas, antecedido de um encontro de esclarecimento sobre o mesmo.
A construção dos 3 mercados incluiu o apoio à comunidade na definição dos termos de gestão do espaço, com o apoio dos técnicos do projeto, que têm trabalhado em conjunto com as autoridades locais e com a comunidade na definição dos termos do Comité de Gestão Mercado.

Também de forma a permitir a dinamização das atividades económicas após a construção dos mercados e respondendo à necessidade de crédito identificada nos Planos de Desenvolvimento Agrícolas Regionais, foi criado um Sistema de Poupança e Crédito Rotativo. Esta atividade foi implementada pela equipa de projeto e por um consultor contratado para o efeito, a quem coube a tarefa de desenvolver o modelo de gestão de poupança e crédito, dar formação aos animadores e aos grupos de poupança e crédito – 8 grupos constituídos em Komo, 10 em Nova Sintra e 13 em Bafatá, com cerca de 15 a 20 pessoas – e monitorizar a implementação dos fundos. No caso da região de Bafatá, o animador da ONG DUVITEC teve como função a identificação dos indivíduos/grupos a incluir neste sistema, sob supervisão do especialista, acompanhar o especialista na formação dos grupos e implementar o sistema através de um plano pré-definido.

O UE-ACTIVA (Ações Coletivas e Territoriais Integradas para a Valorização da Agricultura) é um programa de desenvolvimento rural integrado, financiado pela União Europeia. O seu Eixo 1 – Governação Territorial é cofinanciado pelo Camões, I.P., com duração prevista até 2019 e um orçamento de 4.444.444 €.
Rispito.com/IMVF, 19-12-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público