quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Ministério Público da Guiné-Bissau levanta suspensão dos trabalhos no GTAPE

O Ministério Público da Guiné-Bissau levantou a suspensão aos trabalhos no Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE), mas permanecerá a assistir e a fiscalizar o processo, refere um despacho a que a Lusa teve hoje acesso.

O Ministério Público guineense salienta também que devem ser fornecidas aos representantes dos partidos políticos todas as informações.

A Guiné-Bissau deveria ter realizado eleições legislativas a 18 de novembro, mas dificuldades na preparação do processo, nomeadamente atrasos no recenseamento eleitoral, levaram ao adiamento do escrutínio que ainda não tem data marcada.

O recenseamento eleitoral provocou o aumento da tensão política no país, com um grupo de partidos políticos, incluindo o Partido de Renovação Social (segunda maior força política guineense e que faz parte do atual Governo), a denunciarem irregularidades no processo de registo de eleitores.

Aqueles partidos políticos apresentaram uma queixa no Ministério Público que iniciou uma investigação e ordenou a suspensão dos trabalhos de recenseamento eleitora, requisitou às forças de segurança para controlar as entradas e saídas do GTAPE e para interditar a entrada de pessoas não autorizadas no edifício, onde está instalado o gabinete.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República emitiu um comunicado à imprensa no qual afirmou que nunca suspendeu o recenseamento eleitoral e que apenas ordenou a suspensão dos trabalhos no servidor principal.

Em resposta, o primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, pediu ao Ministério Público para libertar as instalações do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral para que o recenseamento eleitoral prossiga.

Na quarta-feira, uma missão ministerial da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental esteve em Bissau para analisar o processo eleitoral em curso para a realização de legislativas e disse que as eleições têm de acontecer até ao final de janeiro de 2019 e que devem ser marcadas até 22 de dezembro, data em que se realiza a cimeira de chefes de Estado e de Governo da organização.

A CEDEAO, que tem mediado a crise política no país a pedido das autoridades, disse estar surpresa e não compreender as medidas tomadas para parar o processo eleitoral, tendo convidado as autoridades guineenses a retomar o processo e finalizar o recenseamento eleitoral, sublinhando que já estão recenseados 95% dos eleitores previstos.

Em Bissau, a missão teve apenas reunida com o Presidente guineense, José Mário Vaz, com o primeiro-ministro, Aristides Gomes, e como o Procurador-Geral da República, Bacari Biai.
Rispito.com/Lusa, 13-12-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público