sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Senegal escolhe Presidente no domingo

Image result for dakar senegal eleicoes
O Senegal, país da África Ocidental com 15,8 milhões de habitantes que nunca foi palco de um golpe de Estado, elege este domingo o seu Presidente, escolhendo entre o cessante, Macky Sall, e quatro outros candidatos da oposição.


Antiga colónia francesa, o Senegal obteve a sua independência em abril de 1960, sob a liderança de Léopold Sédar Senghor, que abandonou o poder em dezembro de 1980, dando lugar ao seu primeiro-ministro, Abdou Diouf, que viria a ser eleito para três mandatos (1983, 1988 e 1993).

As eleições presidenciais de 2000 marcaram a primeira alternância ideológica, pois após 40 anos de governos socialistas, Abdou Diouf perdeu na segunda volta frente a Abdoulaye Wade, do Partido Democrático Senegalês (PDS).

Wade foi reeleito para um segundo mandato em 2007 e, após muita contestação e uma campanha eleitoral marcada pela violência, foi batido pelo seu antigo primeiro-ministro, Macky Sall.

Já em 2019, dois dos principais rivais de Macky Sall, Karim Wade - filho de Abdoulaye Wade - e Khalifa Sall, dissidente do Partido Socialista e ex-presidente de Dacar, viram as suas candidaturas às presidenciais serem rejeitadas por condenações judiciais.

Macky Sall parte assim como favorito para as eleições de domingo, em que vai defrontar o antigo primeiro-ministro Idrissa Seck; o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Madické Niang, o deputado "antissistema" Ousmane Sonko e um candidato com ligações a um movimento religioso, Issa Sall.
No total, são mais de 6,6 milhões de eleitores registados entre a população que apresenta uma média de idades de 19 anos, um ano acima do limite mínimo legal.

Situado junto ao oceano Atlântico, o Senegal partilha fronteira com a Mauritânia, Mali, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau e Gâmbia.
De acordo com os dados do Banco Mundial (BM), datados de 2017, o Senegal tem uma população de 15,8 milhões de habitantes, p dos quais 90% têm crenças islâmicas, e prima pela sua tolerância religiosa.

A agricultura é a principal atividade do país, que produz elevadas quantidades de amendoim, arroz, milho-miúdo, milho zaburro e algodão.
A economia apoia-se ainda na exportação de ouro, ácido fosfórico e produtos petrolíferos.

A escassez de peixe nas suas águas territoriais colocou os pescadores senegaleses mais dependentes dos países vizinhos, como a Mauritânia e a Guiné-Bissau, tendo assinado acordos com estes para enfrentar esta problemática.

Segundo o Banco Mundial, a economia do Senegal tem vindo a apresentar um crescimento regular nos últimos anos, tendo, em 2017, registado um aumento de 7,2%, ficando acima dos 6% pelo terceiro ano consecutivo.
Este crescimento foi, de acordo com o BM, potenciado por um plano de desenvolvimento que "impulsionou o investimento público e a atividade do setor privado".

Durante o seu mandato, Macky Sall focou-se na construção de infraestruturas como um novo aeroporto internacional, a construção de estradas e de uma ligação ferroviária entre Dacar e a nova cidade de Diamniadio.
Ainda assim, as deficiências em serviços primários, como a saúde e a educação, levaram à existência de várias greves e manifestações.

De acordo com a Agência Nacional de Estatística e Demografia, no final de 2017, a taxa de desemprego cifrava-se em 15,7%.
Quanto à taxa de pobreza, os últimos dados apresentados pelo BM, em 2011, colocam-na nos 47%, o que, para a instituição, representa "um recuo face aos anos anteriores".

As remessas efetuadas pela diáspora senegalesa representam 10% do produto interno bruto (PIB) do país.
No Senegal existem 48.000 estudantes da língua portuguesa e 400 professores, espalhados entre liceus, colégios e as universidades do país.
Rispito.com/Lusa, 22-02-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público