terça-feira, 5 de março de 2019

PRS considera Portugal "porta de entrada" de guineenses para Europa

O líder do Partido da Renovação Social (PRS), Alberto Nambeia, considerou Portugal como "uma porta de entrada" dos guineenses para a Europa e admitiu reforçar a cooperação com as autoridades portuguesas, caso vença as legislativas de domingo.

Em entrevista à Lusa, na vila de Ingoré, norte da Guiné-Bissau, onde se encontrava numa ação de campanha, Alberto Nambeia mostrou-se confiante na vitória do PRS, e entre as prioridades da sua política externa, apontou Portugal como "parceiro incontornável" da Guiné-Bissau.

"Fomos colonizados por Portugal, posso dizer que temos laços de sangue com eles, assim sendo podemos considerar Portugal a nossa porta de entrada para a Europa. Portugal é o nosso parceiro prioritário que não podemos deixar de lado", afirmou Alberto Nambeia.

O líder do PRS, um dos 21 partidos concorrentes às legislativas de 10 de março, defendeu que a Guiné-Bissau tem o Senegal e a Guiné-Conacri como "parceiros imediatos", dada a vizinhança, mas salientou que Portugal "é um parceiro histórico" e ninguém será deixado de lado por um Governo do seu partido.

"Temos que reforçar a nossa cooperação para que o mundo sinta a Guiné-Bissau como um Estado que reconquistou a sua independência", observou Nambeia.

O líder do PRS disse sentir que o povo guineense "quer mudanças" e que está a compreender os propósitos do partido fundado por Kumba Ialá através do seu programa eleitoral denominado "Lantanda Guiné" (Reerguer a Guiné), no qual se destacam a educação, saúde, agricultura, energia e infraestruturas.

A nível da educação, Nambeia defende escolas organizadas e professores qualificados; no setor da saúde pretende ver na Guiné-Bissau hospitais e centros de saúde modernos e ainda acabar com a ida de doentes guineenses ao Senegal para tratamento médico, e na agricultura aponta para a mecanização e transformação local do caju, principal produto agrícola e de exportação do país.

O programa "Lantanda Guiné" também dará uma atenção especial aos recursos minerais, mas se o PRS chegar ao Governo fará um estudo técnico prévio, antes de iniciar qualquer processo visando a exploração dos recursos, afirmou Alberto Nambeia, que disse não pretender criar falsas expectativas.

Nambeia defende igualmente reformas em quase todos os setores do país: das forças de defesa, à justiça, da função pública à Constituição da República, embora saliente que não é a lei magna que promove a discórdia no país, mas a arrogância de certos dirigentes, disse.

O líder do PRS não entende como é possível que em Cabo Verde e em Portugal, por exemplo, o semipresidencialismo funcione bem, mas já não acontece o mesmo na Guiné-Bissau, que tem o mesmo sistema político.

"Com o PRS no Governo não haverá essa questão", sublinhou Alberto Nambeia, que disse que também acabará a política de exclusão de quadros na governação do país.

"Isso é um imperativo, se de facto queremos ter um país estável, se pretendermos sair desta instabilidade crónica, temos que criar condições para que todos os filhos da Guiné-Bissau sintam que estão inseridos no processo", destacou Nambeia.
Riapito.com/DN, 05-03-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público