terça-feira, 30 de abril de 2019

CEDEAO pede consensos para a Guiné-Bissau avançar

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, disse que é preciso arranjar consensos para que a Guiné-Bissau possa avançar para as eleições presidenciais e as reformas da Constituição.
"Estamos aqui para discutir com todas as partes para encontrar uma solução, arranjar um consenso porque o país precisa de avançar", afirmou o chefe da diplomacia nigeriana aos jornalistas num final de um encontro com o Presidente guineense, José Mário Vaz.

Geoffrey Onyeama lidera uma missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que está hoje em Bissau para ajudar a desbloquear o impasse no parlamento guineense, criado durante a eleição da mesa do órgão legislativo.

"Há as presidenciais, a questão da reforma da Constituição e tudo isso não pode avançar sem consensos. Isso para nós é a chave do futuro do país para que possa avançar e a estabilidade seja uma realidade", disse o chefe da diplomacia nigeriana.
O ministro salientou também que o facto de os deputados da Assembleia Nacional não conseguirem escolher a mesa está a atrasar a formação do Governo e "não será fácil, as tensões aumentam e podem ameaçar a estabilidade, haver um recuo".

A missão da CEDEAO vai reunir-se ainda hoje com os representantes dos partidos políticos com assento parlamentar, devendo fazer um comunicado à imprensa no final da visita.

A CEDEAO tem mediado a crise política que existe no país desde 2015 e que nem com as eleições legislativas de 10 de março foi ultrapassada.

O novo impasse surgiu a 18 de abril, logo após a cerimónia de tomada de posse dos novos deputados, com a eleição da mesa da Assembleia Nacional Popular.

Depois de os deputados terem reconduzido no cargo Cipriano Cassamá, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), e eleito Nuno Nabian, líder da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) primeiro vice-presidente, o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), segundo partido mais votado nas legislativas, não conseguiu fazer eleger para o cargo de segundo vice-presidente do parlamento o seu coordenador nacional, Braima Camará.

O Madem-G15 recusa avançar com outro nome para o cargo.

O Partido de Renovação Social (PRS), terceira força mais votada nas legislativas de 10 de março, também reclama a indicação do nome do primeiro secretário da mesa do parlamento.

PRS e Madem-G15, que assinaram um acordo de incidência parlamentar e juntos têm 48 deputados, têm acusado a nova maioria parlamentar de não querer chegar a consensos, enquanto a nova maioria parlamentar defende que está a cumprir a lei.

A nova maioria parlamentar inclui o PAIGC, a APU-PDGB, a União para a Mudança e o Partido da Nova Democracia, com um total de 54 deputados.

Quase dois meses depois da realização das legislativas na Guiné-Bissau, o novo primeiro-ministro guineense continua sem ser indigitado, apesar de o parlamento já ter enviado para o Presidente, José Mário Vaz, o dossiê da constituição da mesa do órgão legislativo, sem o segundo vice-presidente, e ter comunicado estarem reunidas as condições para a formação do Governo.
Rispito.com/Lusa, 30-04-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público