segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Futuras líderes da Guiné-Bissau preparam-se em acampamento

As futuras líderes guineenses estão em estágio num acampamento com 150 raparigas dos 16 aos 28 anos, na localidade de Canchungo, norte do país, com o objetivo de "remover barreiras e normas socioculturais e promover a valorização das meninas".

O acampamento, primeira escola nacional de jovens mulheres líderes da Guiné-Bissau, é uma organização da Rede Nacional de Jovens Mulheres Líderes (Renajelf -GB), presidida por Fatumata Sané, de 25 anos, médica recém-graduada em Bissau.
A Lusa visitou a escola, que decorre em seis oficinas improvisadas em vários pontos da cidade de Canchungo, onde estão 25 jovens raparigas em cada uma das oficinas, vindas de todas as zonas da Guiné-Bissau a receberem formações em domínios diversos como inteligência emocional, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez precoce e não desejada, liderança, cultura e arte, gestão associativa, direitos humanos e migração, entre outras valências.

Profissionais seniores, na sua maioria mulheres já no mercado de trabalho, foram convidadas pela Renajelf para ministrarem aulas práticas e noções básicas às futuras líderes, de quem se espera "atitudes, melhoria de virtudes, autoconfiança" nas suas comunidades, a partir de "novos valores cívicos".

A presidente da rede disse à Lusa que "uma menina empoderada será uma mulher fortalecida e pronta para participar nas esferas da tomada de decisões" na sua comunidade e no próprio país, daí se sentir encorajada a continuar com a iniciativa nos próximos anos.

Fatumata Sané destacou também o facto de a iniciativa, a primeira no país, ter juntado "meninas, futuras líderes" oriundas de todas as regiões e de todas as franjas sociais - de organizações comunitárias, jovens com deficiência física, de confissões religiosas, jovens jornalistas, de partidos políticos, desportistas, empreendedoras e militares.

De todas, Sane espera mudanças "a partir de agora" nas suas comunidades e espaços, sobretudo que sejam portadoras de valores que "os mais velhos não têm" e que sejam também "derrubadoras das barreiras e normas socioculturais" que dificultam a ascensão das mulheres aos lugares de decisão, disse.

A líder da Renajelf considerou que a remoção de barreiras na escola vê-se com a presença de sete jovens militares num acampamento organizado por civis entre 04 e 11 de agosto, com os apoios do Governo guineense e agências locais das Nações Unidas.

"É necessário a diversidade, o que é a nossa força, tirando a farda, elas são civis", frisou Fatumata Sané.
Chaviana da Silva é uma das 150 jovens presentes no acampamento.

Oriunda de Bissau, esta guineense de 23 anos concorda com a visão defendida pela líder da rede e, em poucos dias, disse já ter aprendido "muita coisa" sobre os direitos humanos e migração, referindo que a sua meta de vida é "ajudar o país a ser próspero para que os jovens deixem de arriscar a vida, tentando a emigração irregular".

Chaviana disse ter aprendido que aquela forma de sair do país acarreta riscos como a fome, doenças, assassínios e torturas. Mas, acrescentou, sem a estabilidade na Guiné-Bissau, os jovens vão continuar a escolher aquela forma para abandonarem o país.

Dados do Governo guineense indicam que 60% da população ativa é considerada jovem e cerca de 61% da população é do sexo feminino, num país com cerca de 1,8 milhões de pessoas.
Rispito.com/Lusa, 12-08-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público