segunda-feira, 28 de outubro de 2019

O primeiro dia de Joacine, a deputada que quer acabar com "a masculinidade" na AR

Levou a filha à escola, como habitual, mas o resto do dia prometia ser tudo menos comum. A nova deputada do Livre quer que o Parlamento deixe de ser um "exclusivo às elites" e acabar com "a orientação para a masculinidade" do dia-a-dia dos deputados.
primeiro dia de Parlamento começou bem cedo para Joacine Katar Moreira. A deputada do Livre despertou uma hora e meia antes do que é habitual, numa espécie de mentalização para as horas que se haviam de seguir, com muitas emoções e muitos holofotes à mistura. Afinal, é a primeira vez que uma mulher negra é o rosto de um partido na Assembleia da República.


De vestido encarnado, lábios pintados da mesma cor, casaco negro a contrastar e tranças arranjadas, a ativista negra, doutorada em Estudos Africanos, saiu de casa com a filha de três anos para deixá-la no infantário na zona dos Anjos ainda antes de rumar à Assembleia. Ainda não eram oito e meia da manhã. Acompanhada pelo assessor, Rafael Esteves Pereira, sorriu para as primeiras fotos do dia e foi trocando pelo caminho as primeiras impressões com a equipa de reportagem da revista Visão, a primeira de inúmeras com que, entretanto, se cruzaria. Em direto na manhã da TSF, Joacine não escondeu, minutos depois, "o relativo nervosismo" com o primeiro embate da nova realidade: ser protagonista na casa da democracia.

A descida até à estação de metro dos Anjos, junto à sede do Banco de Portugal, foi feita em passo apressado. A reunião da véspera com o secretário-geral da Assembleia da República tinha dado para perceber que a entrada no parlamento e os vários procedimentos formais com tantos deputados novos na casa gerariam filas e atrasos que a deputada queria, a todo o custo, evitar. O registo formal e a fotografia oficial ficam para a próxima terça-feira, mas mesmo assim Joacine Katar Moreira quis chegar com tempo à primeira sessão, marcada para as dez da manhã.

Joacine e o assessor Rafael ainda ponderaram trocar a linha verde do metro pela amarela, para sair no Largo do Rato, mas optaram pela estação da Baixa-Chiado e caminhar até São Bento. À chegada, tinham à espera mais repórteres e o frenesim típico do primeiro dia de legislatura: fila para passar o controlo dos seguranças, gente a cumprimentar-se à entrada do elevador e os frequentes "sou deputada" para dispensar enganos ou eventuais contratempos.
Chegar ao hemiciclo ainda não é fácil para a deputada, mas, com a ajuda do assessor de imprensa, Joacine chegou, sem se perder, ao lugar a si destinado, no extremo da segunda fila da bancada ocupada pelo PS, pelo que os primeiros cumprimentos de boas-vindas que recebeu foram de deputados socialistas. João Paulo Correia, Eduardo Ferro Rodrigues e Maria de Luz Rosinha foram alguns dos primeiros, a que se seguiram o comunista António Filipe e José Luís Ferreira, do partido ecologista OS Verdes. O abraço mais efusivo veio, no entanto, da socialista Isabel Moreira, que desceu propositadamente da penúltima fila para saudar e conversar com Joacine Katar Moreira.

Desta vez, a sessão foi breve e o assessor do Livre já tinha combinado algumas entrevistas para o período da manhã. Juntos percorreram o caminho até ao edifício novo, onde têm um gabinete provisório no primeiro andar durante o próximo mês e meio, mas acabaram por parar no rés-do-chão, no bar, para tomar o pequeno-almoço acompanhados pelo secretário-geral do parlamento.

Já no gabinete, o entra e sai de repórteres e gente no corredor tornavam o dia ainda mais corrido. Meia hora depois, era tempo de correr aos Passos Perdidos, onde estava combinada outra entrevista e as primeiras declarações coletivas, aos microfones de uma dezena de repórteres. Ainda na escadaria que dá acesso interior ao "edifício antigo", Joacine vira à direita em vez de continuar a subir com os fotógrafos atrás. "Não é por aqui", ouve-se, e todos retomam o percurso.

"A Assembleia da República também tem que se adaptar a mim"
Holofotes e câmaras apontados, por volta do meio-dia, Joacine assevera aos jornalistas: "estamos a inaugurar uma nova era no ambiente institucional português". Uma "nova era" - sustenta - em que "a Assembleia da República deixou de ser apenas frequentada por elites" ou, maioritariamente, masculina.

Num dia em que tudo é novo e diferente, Joacine Katar Moreira acredita que não é só ela a adaptar-se ao Parlamento. "É também a Assembleia da República a adaptar-se a mim", considera. Há que ir conhecendo os cantos à casa, mas também apresentar-se às pessoas e habituar-se à pressão dos meios de comunicação social. Talvez por isso, o cansaço começou a dar os primeiros sinais logo ao final da manhã e a deputada optou por um almoço mais tranquilo, apenas com Rafael Esteves Martins, num simpático restaurante são-tomense, o Kwa Doxi, na Travessa dos Mastros.

A tarde promete, com a sessão plenária e as primeiras intervenções dos grupos parlamentares mais votados, mas o objetivo é ainda poder buscar a filha que ficou na escola logo pela manhã. "Haverá dias em que não será possível, mas quero continuar a ir buscá-la, como é habitual", confessa.
"Ser mulher, mãe e divorciada é mesmo assim", conta. "E, se eu não conseguir manter essa rotina, isso será a prova de que o ambiente e o ritmo da Assembleia da República continuam a ser orientados para a masculinidade", afirma. Razão que, por si só, justificaria a presença da primeira mulher negra a representar um partido no Parlamento português.

Até porque a principal meta está bem definida pelo Livre: "igualdade, igualdade, igualdade". Assim mesmo, repetida por Joacine logo pela manhã ao microfone da TSF, numa reportagem em que a rádio deu voz à alegria de uma deputada que considera a própria eleição "uma conquista da sociedade portuguesa e um sinal de amadurecimento democrático".
Rispito.com/TSF, 28/10/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público