sábado, 2 de novembro de 2019



COMUNICADO Á IMPRENSA
O Movimento Nacional da Sociedade Civil para a Paz, Democracia e Desenvolvimento está acompanhar com bastante preocupação, a situação política vigente no País, mormente a crise política institucional, resultante de exoneração do governo liderado pelo Dr. Aristides Gomes e a nomeação e empoçamento de Dr. Faustino Fudut Imbali, como novo Primeiro-Ministro.
Os decretos presidenciais apanharam toda a sociedade guineense e a comunidade internacional de surpresa numa altura em que o país se prepara para as eleições marcada para o dia 24 de Novembro do ano em curso.

Considerando:
  • (i) que o governo liderado por Dr. Aristide Gomes foi constituído na base dos resultados das eleições legislativas realizadas no dia 10 de Março de corrente ano e, ainda este governo é a consequência de resolução da 55.ª cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO, tendo como um dos MANDATOS preparar as eleições presidenciais de 24 de Novembro do corrente ano;
  • (ii) que faltam menos de um mês para a realização das eleições Presidenciais marcada para o dia 24 de Novembro de 2019 em que todos os actores e parceiros estão mobilizados e engajados e os guineenses expectantes:
  • (iii) que o actual Presidente da República é um dos Candidatos á essas eleições presidências;
  • (iv) que engajamento assumido na 55.ª cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO é de manter o governo do Dr. Aristides Gomes até a realização das Eleições Presidenciais de 24 de Novembro próximo. 

Assim, a Direcção do Movimento Nacional da Sociedade Civil para a Paz, Democracia e Desenvolvimento, delibera o seguinte:
  • 1. Manifestar a ESTRANHEZA e DESCORDANCIA com o Decreto Presidencial n˚ 12/2019 de 28 de Outubro de 2019 que demitiu o governo liderado por Dr. Aristides GOMES, por quanto atenta contra os compromissos assumidos com a comunidade internacional;
  • 2. Apelar o respeito a constituição e as demais leis da República, bem como os compromissos internacionais assumidos no âmbito da gestão e de monitoramentos dos conflitos e da situação da instabilidade na Guiné-Bissau;
  • 3. Exortar aos actores políticos na eleição de diálogo franco por forma a ultrapassarem as suas diferenças;
  • 4. Exigir a realização das eleições presidenciais na data marcada de acordo com o calendário eleitoral;
  • 5. Encorajar as forças da defesa e segurança á manterem equidistantes das disputas entre actores e classes politicas:
  • 6. Lançar vibrante apelo a população em geral e em particular aos apoiantes e simpatizantes das diferentes candidaturas á manterem calmos e serenos, á bem da nação:
  • 7. Apelar a comunidade internacional no sentido de continuar a prestar apoio ás nossas autoridades e monitorar o presente processo eleitoral, tal como no passado.

Bissau, 30 de Outubro de 2019.

A Direcção


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público