quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Estala o verniz na APU-PDGB

Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB)
Os dirigentes da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), que apoiaram a candidatura de Domingos Simões Pereira, foram proibidos de entrar na sede nacional do partido. A Informação foi confirmada à RFI pelo primeiro vice-presidente Mamadou Saliu Lamba.

Um dia depois do Presidente eleito, Umaro Sissoco Embaló, ter apelado à união dos guineenses e de ter pedido ao líder do APU-PDGB, Nuno Nabian, para resolver a crise interna no partido.

Ao em vez disto, ficou comprovado hoje (02/01/2020), o ainda correr de alguma tinta sobre este assunto, que de forma alguma traz um sucesso na dinâmica interna do partido.

Ao todo cinco dirigentes foram impedidos de aceder às instalações do partido liderado por Nuno Nabian. Entre eles; Juliano Fernandes, actual ministro do Interior, Armando Mango, porta-voz do governo, Fatimata Djau Baldé, ministra da Função Pública e Modernização do Estado, Joana Cobde Nhanke, irmã do ex-presidente Kumba Yala, Márciano Indi, líder da bancada parlamentar do partido e Mamadou Saliu Lamba primeiro vice-presidente do partido.
Rispito.com/RFI, 02-01-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público