terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Mais uma greve para três dias na Guine-Bissau

A União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG) e a Confederação Geral dos Sindicatos Independentes da Guiné-Bissau (CGSI-GB) iniciam, amanhã, terça-feira, 07 de janeiro de 2020, uma greve de três dias para exigir do executivo de Aristides Gomes, o pagamento de todas as dívidas contraídas pelas empresas públicas, que até este momento receberam nada, bem como o pagamento das dívidas do passado, contraídas mediante acordo com funcionários públicos como solução para acabar com as vagas de paralisações na função pública. A posição das duas organizações sindicais foi tornada pública pelo Secretário-geral da UNTG, Júlio António Mendonça, durante uma entrevista concedida esta segunda-feira, 06 de janeiro de 2020.    

O sindicalista lembrou, neste particular que, desde o passado dia 23 de dezembro que entregaram o pré-aviso de greve ao governo, mas nunca foram chamados para se sentarem à mesma mesa com o executivo, pelo que não há alternativa senão avançar com a paralisação da função pública guineense.

“sem o pagamento a administração pública guineense continuará a ser paralisada de três em três dias em cada semana”, avisa.

 Segundo Júlio Mendonça, a atitude do governo levou as duas centrais sindicais a concluírem que não há vontade, da parte do governo, para resolver os problemas dos servidores públicos, mas uma lógica de governar para garantir que os seus familiares e parentes estejam bem.

“Não consigo entender como é que uma pessoa, que representa o Estado, chega a um acordo com os seus parceiros sociais e, a partir da data que assinou o memorando, nunca mais se dignou zelar pelo seu cumprimento e nós, sindicalistas, temos um compromisso com os trabalhadores e não podemos perder tempo, enquanto os funcionários a sofrem. Mais grave ainda é que o governo tem estatuto e diplomas legais que devem ser implementados, que é uma exigência do ponto um do memorando de entendimento, não se interessa por nada e continua a violar as regras do jogo, sobretudo no concernente ao ingresso de pessoas na função pública. Os direitos dos trabalhadores estão a ser postos em causa, não podemos aceitar essa situação”, enfatizou.
Rispito.com/O Democrata, 07/01/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público