segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

CEDEAO quer decisão até 15 de Fevereiro na Guiné-Bissau

Cimeira extraordinária da CEDEAO sobre a Guiné-Bissau em Addis Abeba, na sede da União Africana, a 9 de Fevereiro de 2020.A CEDEAO instou a justiça guineense a tomar uma decisão sobre o contencioso eleitoral em curso na Guiné-Bissau até 15 de Fevereiro. A decisão foi anunciada pelo marfinense Jean-Claude Kassi Brou, presidente da comissão do bloco regional, na noite deste domingo, 9 de Fevereiro, no final de uma cimeira extraordinária do grupo oeste-africano em Addis Abeba, na sede da União Africana.

A reunião à porta fechada dos estadistas da CEDEAO contou com a presença de representantes dos 15 Estados membros, incluindo os lusófonos Cabo Verde (representado pelo chefe de Estado, Jorge Carlos Fonseca), e, o principal interessado, a Guiné-Bissau, que se fez representar pelo primeiro-ministro, Aristides Gomes.

O fórum prolongou-se por três horas e deu azo segundo ao presidente da comissão da organização regional, ouvido no local pela rfi, a aprofundados debates.

Este enfatizou a importância do assunto para a Guiné-Bissau, mas também para a região.

Numa altura em que o Supremo Tribunal de Justiça analisa novo recurso do candidato do PAIGC, Domingos Simões Pereira, após a Comissão nacional de eleições ter reiterado na passada terça-feira a vitória do candidato da oposição, Umaro Sissoco Embaló.

Jean-Claude Kassi Brou frisou a necessidade da normalização política na Guiné-Bissau e de garantir a paz e a estabilidade.

A CEDEAO pediu ao Supremo Tribunal de Justiça da Guiné-Bissau que analise o recurso, conforme os preceitos constitucionais, e que a respectiva decisão seja comunicada o mais tardar até 15 de Fevereiro de 2020.

Esta decisão pretende garantir a normalização política e institucional da Guiné-Bissau, sublinhou o antigo economista marfinense, pondo cobro ao contencioso em curso.

“Há esta questão eleitoral pendente, sobretudo desde a segunda volta.

Depois da proclamação dos resultados pela Comissão nacional de eleições o processo está agora no Supremo Tribunal.

Os chefes de Estado debateram de forma aprofundada o assunto por se tratar de um tema importante para a Guiné-Bissau, mas também para a região.
Para o país para já porque é preciso garantir a normalização institucional, a paz e a estabilidade.

Os chefes de Estado pediram que o Supremo Tribunal examine o caso, no respeito dos preceitos constitucionais da Guiné-Bissau, e que isto se faça num prazo máximo até 15 de Fevereiro de 2020, por forma a dissipar o contencioso.

Achamos que com esta decisão dos chefes de Estado, após praticamente três horas de debates muito demorados, mas muito importantes, se poderá alcançar o objectivo que é a normalização institucional e política da Guiné-Bissau.” 
Rispito.com/RFI, 10-02-220

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público