segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Primeiro-ministro guineense na cimeira da CEDEAO em Addis Abeba

Primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, na cimeira da CEDEAO de Addis Abeba a 9 de Fevereiro de 2020.Aristides Gomes, primeiro-ministro, representou a Guiné-Bissau na cimeira extraordinária da CEDEAO sobre a crise política no seu país em Addis Abeba, na sede da União Africana. O chefe do executivo guineense desvalorizou o facto de a chefe da delegação a participar na cimeira panafricana, que decorre simultaneamente, tenha sido a sua antiga chefe da diplomacia, Suzi Barbosa, que tinha deixado o cargo.

Não obstante ter apresentado a sua demissão do cargo a 24 de Janeiro, por razões pessoais e políticas Suzi Barbosa foi, mesmo, a entidade a assumir a cadeira guineense na cimeira da União Africana que arrancou neste domingo, 9 de Fevereiro.

O organismo panafricano tinha acabado por convidar o presidente cessante, José Mário Vaz, mas este acabou por dar plenos poderes à ministra demissionária.

Esta tem assumido a sua proximidade com Umaro Sissoco Embaló, tido como vencedor das eleições presidenciais de 29 de Dezembro pela Comissão nacional de eleições.

USE, como também é conhecido, deslocou-se também à capital etíope tendo-se desdobrado numa roda viva de contactos com estadistas africanos, incluindo os presidentes senegalês, Macky Sall, e o congolês Denis Sassou Nguesso.

O também apelidado "general do povo" promete tomar, mesmo posse, a 27 de Fevereiro e, se necessário, à revelia do presidente do parlamento, Cipriano Cassamá.

Numa altura em que o suposto candidato derrotado, Domingos Simões Pereira, do PAIGC, partido no poder, apresentou esta semana novo recurso perante a justiça pedindo a anulação do escrutínio presidencial.

Aristides Gomes fala de "agitação" interna e de manobras "de imagem" de Embaló por este se encontrar neste momento também em Addis Abeba, na companhia de estadistas do continente.

O chefe do executivo guineense descarta falar em golpe de Estado, assegurando que o seu governo continua em funções e que Ruth Monteiro, ministra da justiça, estaria a assumir interinamente os negócios estrangeiros.

E isto depois de ter sido deferido o pedido de demissão de Suzi Barboa da chefia da diplomacia.

Gomes lembra que a postura do secretário-geral da ONU se pautou por advogar que o processo eleitoral não estava terminado, devido a um recurso continuar pendente.

António Guterres tinha sido confrontado pela rfi em português neste sábado sobre o reconhecimento de Umaro Sissoco Embaló.

E isto por tanto a CEDEAO, como a União Africana, terem numa primeira fase reconhecido a vitória do candidato do MADEM-G15, para depois advogarem a necessidade de esperar pela conclusão do processo.

Contactada pela rfi a delegação de Suzi Barbosa furtou-se a proferir declarações à imprensa, remetendo para Umaro Sissoco Embaló.

Até ao momento o antigo primeiro-ministro não se demonstrou disponível para falar aos jornalistas.
Rispito.com/RFI, 10-02-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público