quarta-feira, 25 de março de 2020

Covid-19: Economista alerta para perigos económicos

 vai sofrer consequências negativas se o Governo decretar uma quarentena obrigatória devido à pandemia da Covid-19, avisa economista. Reunião do Conselho de Estado prevista para esta quarta-feira foi cancelada.

Image result for coronavirusA economia guineense vai sofrer consequências negativas se for decretada uma quarentena obrigatória devido à Covid-19, alerta um economista local.

Ao fim de vários dias de reforço paulatino de medidas de prevenção ao coronavírus, que levou até à suspensão das aulas nas escolas públicas e privadas do país, os dois primeiros casos de Covid-19 foram confirmados pelo Governo em funções na Guiné-Bissau. Os dois indivíduos encontram-se em quarentena, nas respetivas residências. Trata-se de um cidadão congolês, funcionário das Nações Unidas, e de um empresário indiano residente no país.

"Ontem, por volta das 22h, a comissão interministerial esteve na minha casa, na qualidade de primeiro-ministro, para me dar conta de que, de facto, o coronavírus está presente na Guiné-Bissau", anunciou Nuno Nabiam, chefe do Executivo nomeado por Umaro Sissoco Embaló.

Nabiam assegurou ainda que as autoridades e o Governo estão "a trabalhar para estancar esta doença no sentido de não proliferar pelo resto do território nacional".

Umaro Sissoco Embaló convocou para esta quarta-feira (25.03) uma reunião do Conselho de Estado com caráter de urgência para discutir a situação, mas o encontro foi posteriormente cancelado.

Qual o impacto na economia?

O economista guineense Aliu Soares Cassamá prevê momentos difíceis se o Executivo decidir reforçar as medidas e decretar uma quarentena obrigatória.

"Há muito tempo que a nossa economia tem apresentado um défice na balança comercial. Ou seja, importamos mais e exportamos menos", lembra. Caso a decisão de colocar toda a população em quarentena siga avante, isso poderia conduzir o país a uma inflação galopante. "Sabemos que os agentes económicos não têm poder de compra devido à paralisia total do Estado, e esta situação irá complicar ainda mais a debilidade económica que o país atravessa", explica Cassamá.

Antes dos casos serem confirmados, já tinham sido tomadas medidas pelo Governo de Nuno Gomes Nabiam, que ordenou o encerramento das escolas, discotecas, igrejas e mesquitas e ainda a suspensão de todas as atividades em que há aglomerações de pessoas.

Esta quarta-feira, foi também suspensa a circulação dos Transportes Urbanos de Bissau (TUB), conhecidos como 'toca-toca', mas os táxis continuam a funcionar, podendo transportar no máximo dois passageiros.

Que medidas tomar nas prisões?

O assistente social Sana Fati defende que como medida de prevenção, as autoridades nacionais devem olhar também para os reclusos e centros prisionais.

Fati sugere que, para aqueles que estão em prisão preventiva e cujos crimes não são de sangue, a medida alternativa seja "mandar essas pessoas para casa, reduzir o número de reclusos nas celas, para impedir que haja aglomeração na prisão". Esta situação acontece, por exemplo, "no caso da Polícia Judiciária, que tem o centro de detenção superlotado", denuncia.

Com a confirmação, esta quarta-feira, dos dois primeiros casos de Covid-19 na Guiné-Bissau, aumentou visivelmente a preocupação das pessoas, que não param de apelar nos órgãos de comunicação e nas redes sociais a uma mobilização nacional para o combate à doença.
Rispito.com/DW, 25-03-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público