sábado, 21 de março de 2020

É necessário confiar a gestão aos especialistas

Há vários meses o mundo inteiro está confrontado com uma pandemia do novo coronavírus.

As medidas tomadas para conter a disseminação do Covid-19 já tiveram um grave impacto na economia mundial. Os melhores sistemas de saúde do mundo - China, Europa- têm dificuldade em conter a pandemia.

Africa por sua vez, já foi atingida. As fragilidades dos sistemas de saúde dos diferentes países expõem as populações a riscos incalculáveis no plano sanitário, económico e social. 

O nosso País, a Guine Bissau, sem dúvida alguma faz parte do elo mais frágil do nosso continente. Esta tragedia global acontece na pior das situações. Há décadas que o nosso Pais encontra-se mergulhado numa instabilidade cronica que mina a cada dia as estruturas do nosso Estado defeituoso. Hoje, somos confrontados com querelas de legitimidade politica e disputas pós-eleitorais que paralisam o funcionamento normal das nossas já frágeis instituições. Esta situação impede que os nossos parceiros internacionais concedam apoio e assistência. Toda a nossa energia é canalizada para disputas politicas estéreis que levarão claramente para a destruição do pouco que resta da estrutura da administração do Estado. 

O Governo que está em funções não tem tomado as medidas acertadas porque não tem capacidade de avaliação do que está em causa e não possui no seu seio pessoas capazes de assumir a extensão da pandemia e de oferecer respostas satisfatórias.

Devemos começar por negociar um pacto nacional para melhor preparar o nosso Pais para fazer face aos graves desafios sanitário, económico, social e politico que enfrentamos. Para tal, teremos que adiar o contencioso político, sem por em causa a necessidade de resolve-lo logo que for possível. Contudo, se não queremos correr o risco de ver centenas ou milhares dos nossos compatriotas morrer em consequência do Covid-19, a prioridade e de construir um consenso nacional e colocar a Guine Bissau em ordem de batalha.

No plano sanitário, devemos criar uma equipa de especialistas dirigidas por profissionais de saúde pública e de epidemiologistas reconhecidos como a Dra.Magda Robalo, Dr.Inacio Alvarenga, Dra. Amabelia Rodrigues e Dr Paulo Rabna entre outros. Como acontece na Europa, este grupo de experts deverão ser encarregues de fornecer respostas científicas as questões colocadas pelas autoridades politicas e de recomendar as medidas de saúde pública como o confinamento, o funcionamento dos espaços públicos (mercados, estádios) precauções e medidas de higienização, etc.

No plano económico devemos solicitar personalidades como Carlos Lopes e Paulo Gomes para refletir no impacto das medidas que sejam tomadas e conceber as solicitações realistas de apoio aos nossos parceiros europeus, chineses, americanos e africanos.

Estas duas equipas deverão dispor de plenos poderes até ao final da pandemia e da fase de relance da nossa economia.

Somente confiando estas responsabilidades a uma equipa de profissionais competentes teremos a chance de ultrapassar este flagelo. 
Os atores de todos os quadrantes políticos devem comprometer-se por escrito e publicamente  em transferir poderes alargados a estas equipas e abster-se de toda a ingerência e aproveitamento político durante este período crítico.

Idriça Djaló
Presidente do Partido de Unidade Nacional

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público