segunda-feira, 4 de maio de 2020

Carlos Lopes: “É fundamental o perdão da dívida para os países menos avançados”

Carlos Lopes, antigo director da Comissão Económica da ONU para África, está pessimista sobre o impacto económico da covid-19 e considera que Cabo Verde será um dos países mais afectados. África precisa de um estímulo de pelo menos 5% do seu PIB.
Carlos Lopes anda muito atarefado. Além de participar num grupo de economistas convocado pela ONU para analisar a questão das dívidas públicas, está a ajudar o presidente da comissão da União Africana nos seus vários contactos, nomeadamente com o FMI e a União Europeia. Está ainda a delinear uma estratégia para a covid-19 para um banco regional africano. A somar, apesar de a Nelson Mandela School of Public Governance da Universidade da Cidade do Cabo estar encerrada por causa da pandemia – a África do Sul é o país mais atingido do continente –, o economista guineense que liderou a Comissão Económica das Nações Unidas para África, está a dar uma série de masterclasses online. A de sexta-feira passada, sobre “Como será a África contemporânea na próxima década?”, esgotou.

Esses números são baseados em modelos que estão a ter dificuldade com a realidade africana por várias razões. A primeira razão é que a qualidade de estatística em África, sendo muito pobre, precisa de um afinamento muito elevado do aparelho estatístico para fazer esse tipo de análise. A segunda dificuldade é que África parece ter algumas características, não provadas cientificamente, mas faladas no meio científico, como a da resiliência que resulta de várias epidemias, como o HIV-sida, e também de uma exposição a anti-retrovirais e à cloroquina. Depois, temos a questão da pirâmide etária, uma demografia única no mundo, com uma média de idades à volta dos 19 anos. Outra característica pode ser a climática – a virologia demonstra que as mutações que qualquer vírus conhece podem ter diferenças notáveis em função do clima, podendo ser mais rápidas em determinados climas e em certos momentos do ano. A verdade é que até agora temos uma taxa de recuperação média mais elevada em relação às outras regiões do mundo e com poucos mortos.
Rispito.com/Publico, 04/05/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público