terça-feira, 9 de junho de 2020

Cipriano Cassamá convoca plenária da ANP para esclarecer quem tem a maioria 

Guinée Bissau: démission de Cipriano Cassama après des "menaces de ...

O Presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Cipriano Cassamá, convocou para 11 de Junho a Comissão Permanente do parlamento para agendar uma sessão parlamentar que terá lugar no corrente mês 
A sessão parlamentar tem como objectivo esclarecer qual dos dois blocos políticos tem no momento a maioria parlamentar, para que o Presidente da República Umaro Sissoco Embaló possa nomear um Governo que corresponda a esta maioria.
Cipriano Cassamá justicou a sua decisão com a impossibilidade de obter um Consenso entre os partidos com assento parlamentar, depois de mais de três rondas negociais. Cassamá pretende com esta nova estratégia dar resposta à missão que lhe foi “ordenada” por Umaro Sissoco Embaló para conseguir um consenso entre os partidos para formar o Governo ou o parlamento ser dissolvido.
 O último encontro entre o presidente do Parlamento e os partidos com assento parlamentar aconteceu esta segunda-feira 8 de Junho e serviu apenas para comunicar a sua decisão.
À imprensa, Cipriano Cassamá explicou que decidiu avançar para a sessão parlamentar, porque a proposta que apresentou aos partidos não foi acolhida positivamente, mas principalmente porque ele não quer ser o factor de bloqueio para o país.
 “Não quero ser, como nunca fui motivo de bloqueio para o país. Vamos convocar uma sessão parlamentar e não vou levar o programa do Governo. O que vai acontecer é dar a oportunidade aos deputados para decidirem quem tem maioria. A decisão que lá acontecer, não será contrariada por mim”, disse o presidente da ANP.
Nos encontros do dia 8, todos os partidos marcaram presença. Odete Semedo, segunda vicepresidente do PAIGC que tem cheado a delegação do partido, disse não perceber o que leva o presidente do parlamento a admitir a existência de uma nova maioria. “É importante que o presidente da ANP se lembre que para ele ser presidente do Parlamento, houve uma maioria. E quem tem essa maioria é o PAIGC. Portanto é inaceitável admitir que se precisa de uma sessão parlamentar para provar a maioria”, disse Odete Semedo sem no entanto revelar qual deve ser a posição do PAIGC sobre a reunião da Comissão Permanente ou da futura participação da sessão plenária
Nesta posição, o PAIGC conta com os apoios dos partidos UM e PND, associados aos deputados da APU que decidiram permanecer eis ao Acordo de Incidência Parlamentar que o partido assinou em 2019 e que permitira a aprovação do Programa do Governo de Aristides Gomes
Agnelo Regalla, presidente da UM que nunca atendeu à chamada de Umaro Sissoco por não o reconhecer como Presidente da República, advertiu o presidente da ANP sobre o grave erro que está a cometer com as suas decisões. Regalla considera que Cipriano Cassamá não nunca deveria ter assumido o compromisso de negociar as leis, pelo que deve deixar que a lei seja aplicada 
Abas Djaló, que lidera a delegação do PND disse na sua intervenção que o seu partido informou ao presidente da ANP que o problema da maioria não se coloca, porque todos sabem quem venceu as eleições foi o PAIGC. Deste modo, quem deve liderar o Governo é o PAIGC assim como a quem cabe decidir se vai integrar os outros ou não.
 Posição contrária tem o coordenador do Movimento Alternância Democrática (MADEM). Braima Camará que qualicou de sensata a decisão assumida pelo presidente da ANP e continua a sustentar convictamente que a maioria deslocou-se. A alinha com a posição do MADEM está o PRS e APU do actual primeiroministro, Nuno Gomes Nabiam. Para estes partidos, o novo Acordo de Incidência Parlamentar assinado entre os três partidos vem conferir um novo bloco e uma nova maioria para governar.
Nuno Nabiam que já assinou dois acordos nesta legislatura, sendo que o último não teve apoio do seu partido, mantém o argumento que tem adoptado nos últimos tempos defendendo que “maioria deslocou”. Rearmou também que renunciou ao acordo com o PAIGC, não obstante não ter recolhido apoio do presidium da APU nesse divórcio nem nas novas núpcias com o MADEM e PRS.
A decisão de Cipriano Cassamá já está a ser fortemente criticada como aplaudida nas hostes políticas e jurídicas. Entre os críticos está o analista Rui Landim que considera que ao convocar a sessão parlamentar, Cipriano Cassamá aliou-se claramente ao “golpe de Estado em curso”. “Isto é uma farsa. Não tem outro nome. O Presidente da ANP, para ser coerente, deve renunciar do seu lugar, porque admitiu claramente que os outros partidos têm maioria. E se têm cabe-lhes o direito de indicar o presidente da ANP. Mas a minha verdadeira ilação é que, está-se perante uma invenção que vai consumar-se com a força de armas”, disse.
 Importa sublinhar que, a nomeação de um novo Primeiro-ministro e a formação de um novo Governo, com base nos resultados eleitorais, foi uma das condições impostas pela CEDEAO no comunicado em que reconheceu Umaro Sissoco Embaló como o vencedor na segunda volta das eleições presidenciais de 29 de Dezembro.
Rispito.com/e-Global, 09-06-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público