quinta-feira, 4 de junho de 2020

Críticas após viagem a Paris: Embaló "não tem o mínimo de vergonha"

default

Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse que foi a Paris fazer um controlo médico. Declarações causaram indignação no país, cujo sistema de saúde está à beira do "colapso" com a pandemia da Covid-19.

No mesmo dia em que Umaro Sissoco Embaló anunciou a renovação, pela quarta vez, do estado de emergência, a 26 de maio, o chefe de Estado apanhou o avião rumo a Paris para fazer um controlo médico.
"O que é normal, porque penso que cada um possa ter um problema de saúde, não é uma questão de outro mundo. Já estou em forma e a recuperar", afirmou Sissoco Embaló na terça-feira (02.06).

No entanto, nem todos partilham da visão do Presidente da República, sobretudo numa altura em que milhares de guineenses não conseguem viajar para o estrangeiro devido às restrições impostas pelo estado de emergência.
"A Guiné-Bissau tem apenas um hospital em condições razoáveis para assistir os cidadãos, e neste momento não é possível controlar os casos de coronavírus. Temos, ainda assim, alguém que diz ser Presidente da República, que vai para França e não tem o mínimo de vergonha ou receio de dizer ao povo que foi lá curar-se, e que isso é normal", afirma o ativista Sumaila Jaló em declarações à DW África.

O sistema de saúde tem-se deparado com a falta de quase tudo. Um relatório das Nações Unidas, divulgado a 29 de maio, alerta para o risco de "colapso" do sistema devido à pandemia. A Guiné-Bissau é o país da África lusófona onde há registo de mais infeções com o novo coronavírus, com 1.339 casos e oito mortos.

No país, há um médico por quase 6.000 habitantes e não há especialistas de cuidados intensivos, de acordo com o relatório da ONU. O laboratório de testes da Covid-19 tem suspendido regularmente os trabalhos por falta de condições.
"A sociedade guineense já está acostumada a conviver com a estratificação, a segregação existente entre uma classe política elitista, corrupta e que usa o dinheiro do povo para levar a sua vida de luxo, com outra classe, do povo, abandonada à miséria e sem condições mínimas de alimentação e de tratamento nos hospitais nacionais", comenta Sumaila Jaló.

As declarações de Umaro Sissoco Embaló levantam a velha questão dos líderes africanos que não investem no setor da saúde dos seus países porque recorrem sempre ao estrangeiro, à procura dos hospitais mais sofisticados, enquanto o povo tem dificuldades em aceder a centros de saúde de qualidade.
"É uma situação paradoxal", afirma Carlos Sambú, um ativista que apoiou a candidatura de Umaro Sissoco Embaló nas presidenciais de 2019.
"De facto, a luta do próprio Sissoco é criar as condições básicas para o setor saúde. Ainda é cedo para lhe atribuir responsabilidades, mas o Presidente deveria ser o primeiro a dar o exemplo. Não deveria violar o estado de emergência e as restrições que decretou. Isso depende da coerência política de cada um. Sou crítico ao abandono do sistema sanitário do país por parte dos próprios responsáveis."

Saná Canté, advogado de profissão e líder do movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados, organização que não reconhece Sissoco Embaló como Presidente tendo já entrado com uma ação judicial junto ao tribunal da CEDEAO, também critica a viagem a Paris.
"Perante uma pandemia que o Governo não está a conseguir controlar no país, com os casos a aumentar, vem aqui arrogar-se do estatuto de privilegiado para ir a outro continente tratar da sua saúde."
O jovem ativista conclui que se trata de um "abuso" de poder por parte do Presidente da Guiné-Bissau: "É o erário público do Estado da Guiné-Bissau, é a contribuição dos cidadãos guineenses, na qual faz gozo. […] É um exemplo para o povo da Guiné-Bissau tomar em conta: 'salva-se quem puder, mas ele, entretanto, tem todas as condições para se safar'."
Rispito.com/DW, 04/06/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público