terça-feira, 9 de junho de 2020

Guiné-Bissau ordena navios de pesca estrangeiros a fornecer mercado

Guiné-Bissau ordena a navios de pesca estrangeiros que forneçam ...

O ministro guineense das Pescas, Malam Sambú, avisou hoje que as embarcações pesqueiras estrangeiras que operem na Guiné-Bissau estão obrigadas, a partir de 01 de julho, a abastecer o mercado guineense, sob risco de perderem a licença.
O governante deu até ao próximo dia 30 aos navios de pesca industrial que têm no contrato a obrigação de abastecer o mercado local o comecem a fazer. Caso contrário não terão a licença renovada.
"Não podemos ter peixe e a nossa população não comer o nosso peixe", observou Malam Sambú, embaixador da Guiné-Bissau na China, entre 2010 a 2020.

O ministro defendeu que o Estado guineense "não pode aceitar" que navios a pescar nas águas do país, façam a descarga do pescado no Senegal e que os comerciantes guineenses o comprem naquele país para depois virem vender na Guiné-Bissau.
"Não é justo", assinalou Malam Sambú.
Ao abrigo de um acordo que deve vigorar entre 2019 e 2024, 50 navios de países da União Europeia (Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia) podem pescar nas águas guineenses, contra o pagamento anual de 15,6 milhões de euros.
Cerca de 70 navios de empresas chinesas também pescam atualmente nas águas guineenses.
Há relatos de falta do pescado no mercado guineense devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus.
No futuro, o ministro Malam Sambú quer avançar para a assinatura de um acordo entre a Guiné-Bissau e a China, dentro dos moldes existentes com a União Europeia.
De imediato, o ministro disse estar a trabalhar no sentido de equipar o Ministério das Pescas com aparelhos, nomeadamente drones, para reforçar a fiscalização das águas guineenses que têm sido invadidas por pescadores ilegais, conforme relatos de pescadores artesanais um pouco por todo o país.
"Sem a fiscalização das nossas águas, os nossos recursos marítimos serão dilapidados. É preciso que tenhamos um total controlo sobre as nossas águas marítimas e isso exige meios que estamos a lutar para conseguir", assinalou Malam Sambú.
O governante guineense afirmou também ser sua prioridade passar a certificar o pescado guineense "para trazer valor acrescentado ao produto", bem como reforçar a formação de quadros do ministério.
A par da agricultura, a pesca é das principais fontes de receitas para o Estado guineense.
Rispito.com/Lusa, 09-06-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público