segunda-feira, 10 de agosto de 2020

ONU relata "ambiente hostil com deterioração da situação política"

Guinea Bissau | UN Guinea Bissau Vertreterin - Rosine Sori-Coulibaly (UNIOGBIS )

ONU relata "ambiente hostil com deterioração da situação política"
Relatório da ONU diz que acusações e relatos de intimidação contra os opositores do atual regime tornam difícil alcançar a estabilidade na Guiné-Bissau. Embaixador guineense na ONU nega crise no país.

A representante especial do secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau, Rosine Sori-Coulibaly, descreveu nesta segunda-feira (10.08) a situação política vigente no país como um "ambiente hostil", o que dificulta alcançar um compromisso sério em prol da estabilidade política e da construção de consensos em torno das prioridades nacionais.

No relatório que apresentou aos membros do Conselho de Segurança, reunidos em sessão especial para passar em revista a situação política guineense, Rosine Sori-Coulibaly afirmou que a crise pós-eleições impediu a realização das reformas urgentes, incluindo a revisão da Constituição, da lei eleitoral, bem como a lei dos partidos políticos. E manifestou preocupação com a intenção do Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló de mudar o sistema político guineense.

"O Presidente da República manifestou o seu desejo de mudar o sistema de governação - de Semipresidencial para Presidencial - ao abrigo da nova Constituição. Isto irá provavelmente conduzir a disputas internas no seio da nova aliança parlamentar MADEM-G15, bem como com os seus apoiantes e o novo primeiro-ministro, se não for cuidadosamente gerido e amplamente discutido, agravando assim uma situação já de si frágil", declarou Sori-Coulibaly, que participou da reunião do Conselho de Segurança através de videoconferência, a partir de Bissau.

Intervir para evitar o pior

A representante das Nações Unidas avisou que as "divisões enraizadas entre os intervenientes políticos representam uma série ameaça à estabilidade e ao desenvolvimento sustentável". Coulibaly pediu mais apoio da comunidade internacional para evitar o pior na Guiné-Bissau.

"Um prognóstico do atual impasse ressalta a necessidade de um envolvimento contínuo e forte por parte da comunidade internacional para evitar uma deterioração da situação política e dos direitos humanos", apelou a chefe do Gabinete Integrado da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

"As Forças Militares e de Segurança devem ser constantemente recordadas para não interferirem na política. A reforma do setor da Segurança continua a ser primordial, tal como o Acordo de Conacri tinha salientado. As Forças Militares e de Segurança devem tornar-se agentes de mudança no sentido da paz e estabilidade", defendeu no seu relatório sobre a situação política guineense.

A representante destacou também que a implementação das principais reformas, incluindo a revisão da Constituição, promoção dos direitos humanos e Estado de direito, participação das mulheres e combate ao tráfico de droga, deve continuar a merecer a atenção da comunidade internacional, após o encerramento do escritório do UNIOGBIS em Bissau, marcado para dezembro.

"A realização de eleições autárquicas deve também ser considerada como uma das prioridades para a consolidação da paz", sublinhou Sori-Coulibaly .

Forças armadas imparciais

Na sua intervenção, o embaixador Francisco Cortorreal, representante da missão permanente da República Dominicana no Conselho de Segurança, manifestou preocupações com a intervenção militar na vida política guineense, depois das eleições presidenciais de dezembro último.

"Lamentamos profundamente a ação dos militares, como já tinha recordado o conselho de segurança, que o exercício [militar] não tem sido imparcial e independente em pleno conflito interno. Como resultado, a situação de segurança deteriorou-se no país, o que evidencia o impacto negativo das Forças Armadas na sociedade, que não cumpre com o seu papel". 

Durante a reunião de quase duas horas, os membros do Conselho de Segurança manifestaram preocupações com aumento de tráfico de droga na Guiné-Bissau, aumento de casos de violação dos direitos humanos e das leis fundamentais, deterioração da condição de vida da população devido à COVID-19, retrocessos nos ganhos alcançados naliberdade de imprensa e de expressão e apelam apoios da comunidade internacional.

"Presidente eleito não dá golpe"

Entretanto, o embaixador cessante da Guiné-Bissau junto da ONU, Fernando Delfim da Silva, negou que na Guiné-Bissau os direitos humanos estejam em crise. Sobre a intervenção militar, Delfim disse que "um Presidente da República democraticamente eleito não precisa de recorrer a nenhum golpe militar para assumir o seu poder constitucional com todas as prerrogativas". 

Num relatório divulgado sexta-feira (07.08), osecretário-geral da ONU, António Guterres, pediu às autoridades da Guiné-Bissau para demonstrarem "rapidamente" o seu compromisso na luta contra o tráfico de droga com a implementação do plano aprovado em 2019 pelo anterior Governo.
Rispito.com/ DW, 11-08-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público