domingo, 11 de outubro de 2020

LGDH RESPONDE ÀS DECLARAÇÕES DESAJUSTADAS DO UMARO SISSOCO EMBALO

O Senhor Presidente da República, nas suas declarações no Aeroporto Internacional Osvaldo Vieira, questionou o paradeiro da LGDH aquando do rapto e espancamento do Deputado da Nação Sr. Marciano Indi, e da detenção abusiva do militante do PAIGC Armando Correia Dias (vulgo Ndinho). mais a frente, o Presidente, na sua saga desenfreada de apologia à violência gratuita, enfatizou citamos “Quem não se cuidar alguém há de cuidar dele” fim da citação. 

Perante a gravidade de tais declarações que atentam contra os valores da unidade, coesão nacional e do exercício imparcial da proteção da dignidade humana, a Direção Nacional da LGDH, vê-se obrigada a esclarecer o seguinte:

O Presidente da República Umaro Sissoco Embalo, tem adotado, como método do seu consulado, a implantação de terror para controlar a mente e a liberdade de expressão dos cidadãos. E, para a materialização desta sua intenção maléfica, emergiu em Bissau um esquadrão de repressão de cuja referência moral é supostamente, o Senhor Umaro Sissoco Embaló que, com a bênção deste, anda a espalhar o terror em tudo quanto é sitio. 

Relativamente às detenções e espancamentos arbitrários do Deputado da Nação e do militante do PAIGC invocado, queremos lembrar ao Sr. Presidente da República que o povo guineense tem memória sólida, não se esquece tão facilmente dos fatos, um exemplo que deve merecer a atenção do Sr. Presidente da República. Por conseguinte, para reavivar as memórias, a Liga foi a primeira organização a denunciar o rapto do deputado Marciano Indi, logo depois de ter sido contactada pelos familiares do mesmo. De seguida, a LGDH empreendeu todas as diligências que as circunstâncias impunham para que efetivamente se conseguisse a sua libertação.

Outrossim, no caso do Armando Correia Dias, graças à intervenção pronta e eficaz da Liga, o mesmo teve a autorização para a assistência médica e medicamentosa, assim como a garantia do acesso ao seu advogado, o que permitiu a sua libertação horas depois.

Queremos garantir ao Sr. Presidente que a Liga Guineense dos Direitos Humanos não tem uma agenda seletiva na sua luta pela consolidação de estado de direito democrático. nunca o teve e nem nunca o terá, por isso jamais desviará dos seus princípios e das diretrizes que orientam a sua intervenção. 

A LGDH aconselha o Sr. Presidente a dotar uma conduta republicana e digna das funções que ocupa, evitando deste modo proferir declarações que instiguem à violência e ao ódio. Tal atitude em nada abona a coesão e a paz social que tanto almejamos. Aliás, Sr. Presidente, a sociedade espera de si uma postura galvanizadora da unidade nacional.

As vitimas de raptos e espancamentos que antes anunciamos e tantos outros reclamam a justiça, enquanto as declarações do senhor Presidente da República transparecem a assunção da autoria moral dos atos bárbaros de que foram vitimas.

Não podíamos deixar de relembrar ao Sr. Presidente, que os vários casos de atentados contra a integridade dos ativistas políticos e de jornalistas, sem descurar a vandalização da Rádio Capital FM, evidenciam fortes indícios de que teriam sido materializados por homens de tal esquadrão de terror que conta com o beneplácito do Sr. Presidente, com o agravante de transformar a Presidência da República num espaço para a concretização de atos de terror.

Como deve imaginar, Sr. Presidente, jamais a LGDH pode deixar de condenar tanta barbárie, que visa criar um clima de terror e de medo generalizados e que se traduz num autentico retrocesso nas várias décadas de conquistas da luta pela afirmação de um estado de direito, onde as liberdades de expressão e de imprensa são uma realidade.

Sr. Presidente, nesta República ninguém está acima da lei e, se por ventura, no exercício das liberdades, o cidadão extrapolar assiste, ao ofendido independentemente do seu estatuto social, o direito de recorrer aos órgãos jurisdicionais para garantir a responsabilização do infrator.

A LGDH, jamais concordará com o argumento de “casos isolados”, quando os patrimónios privados são vandalizados por agentes de autoridade, quando o Ministério do Interior em vez de servir de guardião dos cidadãos passa a ser um símbolo de tortura e repositório de cidadãos sequestrados e muito menos quando o Palácio da República, enquanto símbolo da grandeza do poder do estado, serve de palco de tortura e de humilhação dos cidadãos. 

A LGDH reitera mais uma vez a sua total abertura em colaborar com as autoridades nacionais, sem descurar da sua missão e determinação de combater todas as derivas dilatórias que visam minar as nossas conquistas democráticas. 

No estado de direito e democrático a manutenção da ordem e respeito pelas regras não se compaginam com livre arbítrio das autoridades, mas com o respeito escrúpulo pelos ditames legais. 

pela paz, justiça e direitos humanos!

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público