quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Economia da Guiné-Bissau em risco de entrar em ‘default’

O analista económico Aliu Soares Cassamá disse que é possível prever que a Guiné-Bissau entre em
incumprimento financeiro, tendo em conta o elevado nível de dívida externa, que ronda os 80% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para Soares Cassamá, economista, a situação da Guiné-Bissau “tende a degradar-se” à luz dos próprios critérios de convergência da União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA), que determina que nenhum país pode ter dívida pública superior a 70% do seu PIB.

Quadro sénior de um banco comercial em Bissau, o economista entende que “ou o país inicia rapidamente a renegociação da sua dívida ou o seu perdão ou então corre risco de vir a entrar em ‘default’ (incumprimento financeiro)”, observou.

Aliu Soares Cassamá comentou para a Lusa a situação na Zâmbia, declarada na semana passada pela agência de notação financeira Standard & Poor’s como o primeiro país africano a entrar em incumprimento financeiro devido à pandemia de covid-19.

O economista explicou que um país entra em ‘default’ quando a sua dívida pública dispara de forma exponencial ao mesmo tempo que tem as Finanças Públicas em degradação acentuada.

No caso da Guiné-Bissau, Aliu Soares Cassamá disse que o quadro existe, a que acresce ainda, refere, uma flexibilidade “cada vez mais reduzida” de o país conseguir financiamento externo, com a visível queda das receitas coletadas internamente.

Aliu Soares Cassamá apontou que neste momento a receita interna da Guiné-Bissau “caiu em 50%” e que dessa coleta 76% são destinados para o pagamento de salários aos servidores públicos e os restantes 24% “nem chegam para pagar dívidas ou fazer investimentos”, frisou.

O caminho para evitar o colapso, destacou Cassamá, seria produzir mais, desenvolver o setor industrial, promover reformas no ensino e no quadro fiscal, evitar “o endividamento irracional” e sair da dependência de uma economia baseada sobretudo na castanha do caju, notou.

“A Guiné-Bissau corre sérios riscos de entrar em incumprimento financeiro devido ao elevado serviço de dívida e forte dependência das receitas da castanha do caju”, observou o analista.

Em resumo, disse Soares Cassamá, o quadro atual de dependência de toda a economia guineense na castanha do caju caracteriza-se pelo baixo nível de crescimento e uma acentuada instabilidade macroeconómica.

O analista prevê também que a economia guineense “vai sofrer ainda mais”, dada a sua fragilidade e exposição ao chamado choque externo, sobretudo quando, disse, começar a aparecer o verdadeiro impacto provocado pela covid-19.

Até porque, sublinhou Aliu Soares Cassamá, os principais credores do país “vão estar à espera”.

Soares Cassama explicou que os credores a que se refere são Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, Banco de Desenvolvimento da África Ocidental, Banco Africano de Desenvolvimento e União Económica e Monetária da África Ocidental.

O Ministério das Finanças da Guiné-Bissau está a tentar estabelecer um novo programa com o Fundo Monetário Internacional, com o apoio do Banco Mundial, com o objetivo de “equacionar a sustentabilidade” da dívida do país.

O Conselho de Ministros da Guiné-Bissau deliberou, na quinta-feira, adiar a discussão do Orçamento do Estado de 2021 por causa das “negociações em curso com as instituições de Bretton Woods”, segundo o comunicado divulgado à imprensa.

Num relatório, divulgado na semana passada, o Fundo Monetário Internacional prevê que a economia guineense cresça 3% em 2021.
Rispito.com/Visão, 27-10-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público