quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

 

Presidente da Guiné-Bissau afasta dissolução do parlamento após diálogo

Na semana passada, o chefe de Estado reuniu-se com cinco dos seis partidos com assento parlamentar para discutir a possibilidade de dissolução do parlamento. Agora afasta essa possibilidade.
O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afastou esta quarta-feira a possibilidade de dissolver a Assembleia Nacional Popular, após um encontro com os líderes das bancadas parlamentares.

Isso já não vai acontecer, porque com o diálogo entendemos outra coisa. O Presidente da República tem de ser o moderador. Estou aqui como Presidente da República, de todos os guineenses”, disse Umaro Sissoco Embaló, quando questionado pelos jornalistas, no final do encontro.

O chefe de Estado disse também que durante o encontro todos foram unânimes de que o “interesse supremo” de todos os guineenses é o desenvolvimento do país. “Enquanto Presidente da República, foi um dos melhores dias de exercício das minhas funções”, disse, sublinhando que todos têm o direito de dar a sua opinião, mas na base do respeito, e que o lema de 2021 é todos os guineenses juntos.

Na semana passada, o chefe de Estado reuniu-se com cinco dos seis partidos com assento parlamentar para discutir a possibilidade de dissolução do parlamento, tendo convocado igualmente o Conselho de Estado.

Tanto os partidos políticos como o Conselho de Estado consideraram não existir qualquer crise política que justificasse a dissolução da Assembleia Nacional Popular e a convocação de eleições antecipadas, apesar de a decisão caber apenas a Umaro Sissoco Embaló.

O líder da bancada parlamentar do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Califa Seidi, manifestou satisfação com o encontro.

Por um lado serviu para um diálogo que é bom sempre ter, mas, por outro lado, vimos o Presidente a exercer a sua magistratura de influência para haver estabilidade, tranquilidade, sobretudo, no parlamento, onde às vezes com o fervor do debate há algum excesso”, disse.

Califa Seidi disse que pediu também a Umaro Sissoco Embaló para continuar com esta magistratura de influência em relação a outros assuntos que possam estar a afligir o povo da Guiné-Bissau. A bancada parlamentar do Partido de Renovação Social, através do seu líder, Nicolau Gomes, também felicitou a iniciativa do Presidente e disse que os deputados têm obrigação de dar outra imagem da Guiné-Bissau.

Nicolau Gomes disse que o Presidente pediu para que a Assembleia Nacional Popular seja um “parlamento modelo”.

O líder da bancada parlamentar do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Abdu Mané, disse que a iniciativa do Presidente da República mostra que é “aglutinador”, que “respeita a Constituição e a legalidade democrática”.
“Nós coexistimos nas nossas diferenças, mas devemos ter respeito mútuo”, salientou, acrescentando que o encontro foi positivo para reforçar a confiança entre partidos políticos.

O líder da bancada da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), Marciano Indi, disse que a liberdade de expressão está consagrada na Constituição, mas não deve ultrapassar os limites. “Nós devemos instruir os nossos deputados para que a nossa linguagem ajude o país a desenvolver-se”, salientou.

Marciano Indi sublinhou também que o papel do Presidente é apaziguar ânimos, juntar as pessoas, independentemente dos partidos, para que falem e se entendam e pensem no futuro do país.

O deputado da APU-PDGB pediu também para resolver o assunto do antigo primeiro-ministro Aristides Gomes — refugiado há meses na sede das Nações Unidas em Bissau —, lembrando que a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) é que lhe pediu para assumir o cargo, e de Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, em relação a quem o procurador-geral da República emitiu um mandado de captura internacional, na semana passada.

O diálogo salva a Guiné-Bissau e pedimos para continuar o que começou hoje [quarta-feira]”, salientou.

O deputado Agnelo Regala, da União para Mudança, disse que o encontro permitiu “de forma clara e frontal abordar determinadas questões”.
“O diálogo é que deve ser a base de todo o processo, que queremos desenvolver para a estabilidade, para apaziguar a sociedade para andarmos para a frente”, salientou, pedindo que todos remem no mesmo sentido.
“Nós somos adversários, não inimigos, a campanha eleitoral acabou, e devemos concentrar as nossas atenções naquilo que é fundamental neste momento, que são os problemas de desenvolvimento e que afligem todos os guineenses”, acrescentou.

O Partido da Nova Democracia, através do seu líder e deputado Iaia Djaló, destacou que o diálogo é o melhor para futuro do país.ssibilidade de dissolução do parlamento. Agora afasta essa possibilidade.
Rispito.com/Observador, 24-12-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público