terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Músicos da Guiné-Bissau querem apoio do Estado

O presidente da associação de músicos da Guiné-Bissau, Justino Delgado, anunciou hoje que vai exigir ao Estado subvenções para os artistas que estão há cerca de um ano sem trabalhar devido à ausência de espetáculos.
Para evitar a propagação do novo coronavírus, as autoridades guineenses têm estado a decretar estados de emergência, de calamidade ou de alerta. Neste momento o país está em estado de calamidade da saúde.

O presidente da associação de músicos da Guiné-Bissau disse que o Estado devia "olhar mais" para os artistas, por serem os "mais penalizados" com a pandemia de covid-19.

Justino Delgado afirmou que a conferência de imprensa serviu para demonstrar a "indignação pela forma como os artistas têm sido tratados" pelo Governo.

"Durante este confinamento os artistas estão a passar mal e nada foi feito para os ajudar", declarou Justino Delgado, que vai agora "exigir justiça" que passa, entre outras medidas, pela atribuição de subvenções.

O presidente da associação de músicos da Guiné-Bissau vai entregar ao Governo e ao Alto Comissariado para a Covid-19 um documento com propostas de medidas que devem ser adotadas para "minimizar o sofrimento" dos artistas.
"Todo o mundo está a trabalhar, por que não os músicos?", questionou Justino Delgado, considerando inconcebível o tratamento que é dado aos artistas, salientando que nos outros países as autoridades encontraram soluções para atenuar a situação.

Justino Delgado considerou o artista como servidor público e destacou que muitos já produziram obras com valor científico pelo que mereciam outro tratamento, no lugar de continuarem a mendigar ajudas, frisou.

Delgado perguntou ainda se é digno que um artista, chefe de família, tenha que roubar ou pedir esmolas para sobreviver.
Rispito.com/Lusa, 23-02-2021


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público