sexta-feira, 19 de março de 2021

"Há um grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar" a Guiné-Bissau acusa PR

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje que há um "grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar" o país, que não há cultura de rapto e que espancamento de jornalistas é lamentável na Guiné-Bissau.

"Na Guiné-Bissau não temos a cultura de rapto. Espancamento de jornalistas é lamentável. Mas há um grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar este país, o que não é verdade, ninguém pode desestabilizar este país", afirmou Umaro Sissoco Embaló, salientando que se acontecer alguma coisa ninguém vai sair do território nacional.
O chefe de Estado guineense falava à comunicação social no Palácio da Presidência, depois de questionado sobre os ataques ocorridos recentemente no país.

"Este país está cansado de perturbações por parte de seis pessoas. A campanha eleitoral acabou. Eu sou o Presidente da Guiné-Bissau durante os próximos anos. Estão a acusar o meu segurança de ter espancado o jornalista [Adão Ramalho], esse estava comigo em Dacar", disse.

No dia 12, o jornalista guineense Adão Ramalho foi espancado pelas forças de segurança, quando fazia a cobertura da chegada ao país de Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

"É para ver a capacidade de manipulação e de intriga. Eu não sou homem de violência", salientou o Presidente.

Em relação à alegada tentativa de sequestro do deputado Marciano Indi, na quarta-feira, Umaro Sissoco Embaló lembrou que a Presidência guineense não tem viaturas próprias e que são as suas que estão a ser utilizadas.

"Estou calado a ver as pessoas a fazerem teatro. Vou deixar a cobra entrar, mas vou atuar no momento oportuno. Ouvi as pessoas a virem com o velho truque [golpe de Estado], mas as pessoas não se esqueçam do aviso do general Biagué (chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas). Quem tentar golpe de Estado será morto", frisou.

Umaro Sissoco Embaló lamentou também que acusem o ministro do Interior de andar a espancar pessoas na "calada da noite", quando as pode deter à "luz do dia".

"Este país está hoje num nível que não tínhamos há 20 anos. Aqui não haverá perturbação. É desta forma que perturbaram o Presidente José Mário Vaz até que ele saiu", sublinhou.

O Presidente guineense reafirmou que sua atuação é outra e que os seus "seguranças são homens de verdade".

"Aqui não é o Senegal. Não pode existir um Sonko aqui. Temos um `modus faciendi` diferente do Senegal, porque a nossa democracia é diferente", disse Embaló, referindo-se aos incidentes registados em Dacar nas últimas semanas depois da detenção de Ousmane Sonko, visto como opositor do Presidente senegalês, Macky Sall, e muito popular entre os jovens.
Rispito.com/Lusa 19-03-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público