quarta-feira, 31 de março de 2021

Morreu D. Pedro Zilli, bispo de Bafatá, vítima de Covid-19

Lisboa, 31 mar 2021 (Ecclesia) – D. Pedro Zilli, bispo de Bafatá, na Guiné-Bissau, faleceu hoje aos 66 anos de idade, vítima de Covid-19.

O missionário brasileiro estava internado no Hospital de Cumura há duas semanas, informa a Rádio Sol Mansi, a cujo Conselho de Administração o bispo presidia.

O primeiro bispo de Bafatá nasceu a 7 de outubro de 1954, em Santa Cruz do Rio Pardo (São Paulo) e foi ordenado sacerdote em janeiro de 1985, seguindo para a Guiné-Bissau, como membro do Pontifício Instituto Missões Exteriores (PIME).

A Diocese de Bissau publicou uma nota para evocar um bispo “muito amado”, que “deixa um vazio enorme muito difícil a colmatar”.

Também a Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) manifestou “pesar e tristeza” pelo morte de D. Pedro Zilli, recordado como “um grande missionário, um pai e pastor para o povo guineense e para todos os missionários que eram enviados à Guiné-Bissau”.
“Era um homem simples, comunicativo, contador de histórias, amigo de todos, feliz na vocação sacerdotal missionária, enfim, um testemunho vivo do Evangelho”, assinala a nota.

D. Pedro Zilli foi nomeado como primeiro bispo da Diocese de Bafatá no dia 13 de março de 2001, por São João Paulo II; a sua ordenação episcopal aconteceu no dia 30 de junho de 2001, no Brasil.

A ONGD ‘Sol sem Fronteiras’, ligada aos Missionários Espiritanos, publicou uma nota de pesar pelo falecimento do bispo de Bafatá, realçando “a sua entrega missionária ao serviço de quem mais precisa e a sua determinação pelo encorajamento dos mais empobrecidos”.
Rispito.com/Lusa, 31-03-2122

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público