terça-feira, 16 de março de 2021

Perseguição aos jornalistas parece "ter mão obscura" do Presidente

Ordem dos Jornalistas pede intervenção internacional contra a perseguição à imprensa na Guiné-Bissau. Bastonário, António Nhaga, teme que Chefe de Estado esteja a intimidar os profissionais de comunicação no país.

Vários profissionais da comunicação social têm sofrido ameaças contra a integridade física nos últimos meses na Guiné-Bissau. Apesar da sucessivas queixas, o clima de perseguição parece estar longe do fim.

O sequestro e espancamento do bloguer Aly Silva e a agressão por agentes das forças de segurança a Adão Ramalho, jornalista da Rádio Capital, são os últimos acontecimentos da escalada de eventos que tem tido como alvo figuras da comunicação no país.

Em entrevista à DW África, o bastonário da Ordem dos Jornalistas guineenses, António Nhaga, sugere que o comportamento do Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, aumenta as dúvidas sobre a sua idoneidade perante a atual situação do jornalismo no país.

DW África: Como é que descreve o ambiente de trabalho atual dos jornalistas na Guiné-Bissau?

António Nhaga (AN): A Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau tem vindo a testemunhar com bastante preocupação o cenário que atenta contra o exercício pleno do jornalismo, perpetrado por um grupo de pessoas singular, encapuçado e com armas de fogo. Os jornalistas têm sido alvo de intimidações, ameaças e discriminação por parte do próprio Presidente da República, que quando aparece em público diz coisas como ‘quem não segura a sua cabeça, vai ser assegurada'. Já no dia 26 de fevereiro disse no balanço do seu mandato que os jornalistas não tinham condições para conduzir o debate... Ele tem andado permanentemente a imiscuir-se com o exercício da profissão e isto preocupa-nos bastante.

DW África: O Presidente e o primeiro-ministro já vieram negar quaisquer responsabilidades nestes últimos incidentes, mas a impressão é que as agressões contra os jornalistas se intensificaram nos últimos tempos. É claro para a Ordem dos Jornalistas que há uma ligação entre o Chefe de Estado e esta aparente ofensiva contra a imprensa?

AN: Nós estamos a fazer balanços do que ele tem dito, porque estamos preocupados [com a possibilidade] de que o senhor Presidente da República possa ter alguma ligação com isso. De facto, o que ele faz acaba por provar-nos que ele deve ter mão obscura sobre isto, porque o comportamento do Presidente da República indica que ele poderá ter alguma coisa a ver com isto. Nós gostaríamos, de facto, de chamar o Presidente da República à atenção para que refina a sua conduta, pautando-se pelo rigor. A Ordem dos Jornalistas condena com veemência o comportamento inadequado de seja quem for que está a espancar jornalistas neste momento na Guiné-Bissau.

DW África: O que é que os representantes da classe e as organizações podem fazer para responder a estes ataques?

AN: O que nós podemos fazer é um trabalho conjunto. Provavelmente amanhã vamos dar uma conferência de imprensa para marcar a nossa posição. Nós temos de exigir ao senhor Presidente da República que tenha rigor e responsabilidade. A sua comunicação deve pautar-se por outras palavras para salvaguardar o seu estatuto enquanto Presidente. De facto, as coisas que ele diz não são aquilo que um Presidente da República deve dizer. Vamos dizer-lhe para ele ter respeito.

A Ordem já entregou uma proposta que se for aprovada poderia salvaguardar a imprensa, porque de facto os jornalistas da Guiné-Bissau trabalham em condições difíceis e precárias. Ele ataca a imprensa e discrimina jornalistas. Como Presidente de todos os guineenses, ele não pode convidar só um grupo de imprensa, que é o órgão público, e deixar o grosso dos jornalistas de fora. Todo este comportamento do Presidente da República faz-nos crer que ele não tem mãos limpas nesta matéria. Condenamos isto e solicitamos o senhor Presidente da República a usar a sua magistratura de influência junto do Governo para que seja aprovado um modelo para apoiar a independência do jornalismo na Guiné-Bissau. Nós temos um rol de perguntas para lhe fazer, mas o senhor Presidente da República parece que não quer ouvir a Ordem dos Jornalistas.

DW África: Os jornalistas ponderam outros instrumentos ou entidades, talvez até internacionais, para se fazerem ouvir?

AN: O que nós queremos é apelar à Federação Internacional do Jornalismo e aos Repórteres Sem Fronteiras para acompanhar de perto a situação do jornalismo na Guiné-Bissau. A situação está a agravar-se cada dia. É uma situação lamentável em que há pessoas que estão a tentar pôr em causa o exercício da liberdade de imprensa.

Rispito.com/DW 16-03-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público