segunda-feira, 22 de março de 2021

Primeiras vacinas chegam à Guiné-Bissau

As primeiras 12.000 doses de vacina contra a Covid-19 chegaram esta segunda feira, (22.03), à Guiné-Bissau no âmbito de uma parceria entre uma empresa de telecomunicações da África do Sul e da União Africana.
"É de facto hoje um dia importante para a Guiné-Bissau no combate à pandemia da Covid-19 porque recebemos as primeiras 12.000 doses de vacina. Trata-se vacina Astrazeneca, que vai contribuir para executar o nosso plano de vacinação anti-Covid", afirmou a Alta Comissária para a Covid-19, Magda Robalo.

A Guiné-Bissau aprovou o uso de três vacinas, homologadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), contra a infeção provocada pelo novo coronavírus, nomeadamente a Pfizer/BioNTech, Astrazeneca/Oxford e AstraZeneca do Serum Institute da Índia.

"Também é importante recordar que estas doses chegaram à Guiné-Bissau, porque tinham sido atribuídas à África do Sul, que depois descobriu uma variante que não permite utilizar esta vacina", afirmou Magda Robalo

E a Alta Comissária para a Covid-19 na Guiné-Bissau defende: "Temos de continuar a evitar a multiplicação do vírus, temos de trabalhar para atrasar e travar a transmissão, porque senão nós vamos ter variantes que não nos vão permitir utilizar as vacinas que estão a ser descobertas".

Funcionários do setor da saúde são prioridade
Robalo falava aos jornalistas no aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau, após a receção das 12.000 doses de vacina, acompanhada do vice-primeiro-ministro, Soares Sambu, da ministra dos Negócios Estrangeiros, Suzy Barbosa, do ministro da Saúde, António Deudna, do embaixador da União Africana no país, Ovídeo Pequeno, e do representante da empresa de telecomunicações sul-africana.

"Nos outros países a vacinação já começou há muito tempo. O país está de parabéns por ter recebido as vacinas", disse o ministro da Saúde guineense, garantindo que as primeiras doses das vacinas serão para a classe que "tanto precisa", ou seja, os funcionários do setor da saúde.

Em relação ao Plano Nacional de Vacinação, o Alto Comissariado explicou recentemente que numa primeira fase prevê atingir "20% da população guineense", dando prioridade aos profissionais de saúde, pessoal de apoio da saúde, agentes de saúde comunitária, doentes com HIV/Sida, tuberculose, diabetes, doenças cardiovasculares, respiratória e doentes renais crónicos.

O Plano, a ser executado em três fases, visa atingir 70% da população guineense, por forma a criar uma imunidade de grupo que possa favorecer uma redução significativa da transmissão.

O COVAX - mecanismo de distribuição universal e equitativa de vacinas contra a Covid-19 cogerido pela OMS - já anunciou que a Guiné-Bissau vai receber 120.000 doses de vacinas da fabricante AstraZeneca, até final de maio. 

O Banco Mundial prevê apoiar a Guiné-Bissau para a cobertura de cerca de 15% da população, sendo que o COVAX promete fornecer vacinas para cerca de 20% da população. 

A Guiné-Bissau regista mais de 3.500 casos de infeção pelo novo coronavírus, que já provocou a morte a 55 pessoas.

Na sequência do aumento de casos que se tem registado desde o início do ano, o Governo guineense decidiu prolongar o estado de calamidade por mais 30 dias, até 25 de março. 
Rispito.com/DW, 22-03-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público