quarta-feira, 21 de abril de 2021

Dois co-fundadores do PRS acusam Alberto Nambeia de ter reunido secretamente com militares em Patche Yalá

Dois membros co-fundadores do Partido da Renovação Social(PRS), Mário Pires e Ibraima Sori Djaló, acusaram o líder daquela formação política Alberto Nambeia e do PAIGC Domingos Simões Pereira de terem realizado  encontro secreto com alguns militares, na povoação de Patche Yalá, no sector de Bula, norte do país.

Em conferência de imprensa realizada terça-feira, Mário Pires afirmou que o referido comportamento vai contra as normas estatutárias do PRS.

“Apelamos o respeito escrupuloso pelos estatutos do Partido da Renovação Social em todas as suas formas e funcionalidades, evitando quaisquer reuniões fora das estruturas, como aconteceu com a dita reunião recentemente ocorrida na povoação de Patche Yalá e cujo impacto tem atingido gravemente a imagem e o bom nome do PRS”, disse Mário Pires.

Aquele ex. membro  fundador do PRS apelou ao actual líder do partido, Alberto Nambeia no sentido de vir ao público esclarecer o ocorrido.

Por sua vez, Ibraima Sori Djaló disse que, o líder dos renovadores Alberto Nambeia deve explicar os motivos da reunião realizada em Patche Yalá com os militares.

Acrescentou que, de certeza, os militares que tomaram parte na referida reunião não souberam do objectivo do encontro, frisando que, depois de serem informados do teor da reunião, um deles insurgiu-se contra a iniciativa tendo exortado aos dois políticos para irem concertar posições na Assembleia Nacional Popular, porque eles não querem mais problemas para o país.

Ibraima Sori Djaló acusou sem citar nomes  que as pessoas têm o vício do poder e de roubar dinheiro público, e diz que  que essa postura vai contra os princípios do líder fundador do PRS, Kumba Yalá.

“Nós é que fundamos o PRS e nós é que podemos contar a história dessa formação política. O actual líder do PRS afirmou em várias ocasiões que se deve  entregar o partido aos jovens, mas  agora está a mobilizar as pessoas para lhe apoiar no próximo congresso”, vincou.

Sory Djaló referiu-se ao líder
do PAIGC, Domingos Simões Pereira e Alberto Nambeia, dizendo que, se os dois não querem reconhecer o actual chefe de estado, Umaro Sissoco Embaló, o PRS não vai entrar em nenhum  problema.
ANG/ÂC//SG

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público